Os encantos desta menina baiana

Os encantos desta menina baiana

Ivete Sangalo lança DVD acústico, regrava músicas e dá um chega pra lá no preconceito

» Irlam Rocha Lima Enviado especial
postado em 01/08/2016 00:00
 (foto: Cacau Mangabeira/Divulgação)
(foto: Cacau Mangabeira/Divulgação)





São Paulo ; A espontaneidade e a descontração são apenas algumas das características da persona de Ivete Sangalo. Outras facetas da maior estrela da música popular brasileira podem ser facilmente perceptíveis por quem conversa com ela e propõe questões ligadas ao seu ofício, à família, ao preconceito e à crise que afeta diferentes segmentos a vida do país. Objetivamente, ela se posiciona com clareza.

Em entrevista que concedeu em São Paulo, no lançamento do DVD Acústico em Trancoso (com 25 músicas e 1h40 de duração), a cantora deixou claro que muitos dos valores que toma como princípios de vida lhe foram passados pelos pais ; inclusive o gosto pela música. Ivete, por exemplo, faz veemente defesa ao direito à relação homoafetiva, da preocupação com a saúde física e mental, da ausência de preconceito no campo dos gêneros musicais, entre outros assuntos.

O cuidado com o filho, para ela, se sobrepõe a todos os outros. Sem alarde midiático, costuma levar Marcelo à escola pela manhã, mesmo quando chega em casa de madrugada, depois de cumprir algum compromisso artístico.

DVD Acústico
Trago sempre comigo a vontade e a necessidade de fazer algo que ainda não realizei, de trazer elementos novos para o meu trabalho, de compor em parceria. Estava em busca de um lugar diferenciado que servisse de cenário para o registro desse show. A escolha de Trancoso foi algo natural, pois aquela paradisíaca cidade do litoral baiano preencheu os requisitos que eu imaginava. Vi aquele o local a céu aberto, próximo da floresta e do mar, totalmente conectado com o projeto.

Inéditas e regravações
Quando me disponho a fazer releitura de canções que já havia gravado, faço uma espécie de enquete com os fãs pelas redes sociais para definir o que devo regravar. Entre as escolhidas estão Cadê você, Deixo, Na Bahia, além de Por causa de você, menina, que eu gravei num duo com Jorge Ben Jor. Recriei, também, Candura, de Max de Castro. Quanto às inéditas, há A presença do mar (Mestrinho, sanfoneiro sergipano), O farol (Ramon Dias) e parcerias minhas com Gigi (Seus planos), Duane (Mais mais), Mu Carvalho e Dudu Falcão (O melhor pra mim). No CD tem a faixa bônus, Segredo, que gravei em estúdio com Djavan.

Os convidados

A escolha dos convidados foi feita na medida em que ia definindo o repertório. Quando ouvi a inédita Zero a 10, pensei em Luan Santana, por quem sou apaixonada, e imediatamente liguei para ele, que topou na hora. Vitin, da banda Onze 20, conheci no programa Altas horas, do Serginho Groissman. Gostei muita da voz e da maneira de ele cantar. Já ao Helinho, da Ponto de Equilíbrio, fui apresentada quando participei da gravação do DVD do Natiruts, em janeiro, na Bahia. O reggae é uma das paixões da minha vida e, por isso, quis ter os dois comigo no projeto. Quanto a Daniel Henrique, Robert Lucas, Julie de Assis, Luna Bandeira, Luiza Prochet e Pérola Crepaldi, que foram do meu time no The voice kids, passei a ter um carinho de mãe por eles. São crianças e estavam ali participando de uma competição e quis acalentá-los, trazendo-os para o Acústico. Eles arrebataram o público que assistiu às gravações.

Outra sonoridade
Para criar a sonoridade que desejávamos, utilizamos bandolim, cavaquinho, violões, contrabaixo, piano e acordeon, que podem levar ao minimalismo, à calmaria, com arranjos suaves e delicados, mas consistentes e, por vezes, pesados, como os de uma banda que toca em estádio. Mas é um acústico de Ivete e eu não poderia confundir o público. Não fiquei ali sentadinha, até porque as músicas continuam sendo para dançar.

Com profissionalismo
Chegar ao resultado que se pretende num projeto complexo como esse não é tarefa fácil. Preciso estar cercada de profissionais da maior competência, como Paul Ralphes e Radamés Venâncio que cuidaram do áudio; e Joana Mazzuchelli, do vídeo; da minha banda querida, que contou com a participação do acordeonista Mestrinho. O figurino que uso é uma criação de Marta Medeiros. É preciso dar o crédito de todos. Não posso esquecer Cyntia Sangalo, a diretora executiva. Com Elísio Lopes fiz a direção-geral do show e sou responsável pela direção artística e pelos arranjos vocais.

Nova realidade
Na gravação de um DVD a gente tem controle sobre a produção. Depois do produto pronto, para levá-lo ao público em forma de show há necessidade de estabelecer parcerias e estratégias. Não pode ser vantajoso só para o artista, tem que ser também para o contratante. Quanto a mim, não sinto a crise de forma tão alarmante, mas tenho reduzido o número de apresentações, isso para poder atender a outros compromissos e pela manutenção da qualidade de vida.

Estilos diversos
Já gravei com vários colegas da MPB, com bandas de reggae e de forró, grupos de samba e artistas estrangeiros. Em Brasília fiz show com Criolo, interpretando Tim Maia. Recentemente participei do show do Prêmio da Música Brasileira, cantando canções de Gonzaguinha, ao lado de Maria Gadú, Lenine e Zeca Baleiro, e senti que o público gostou muito. Fui convidada pelo Digão para participar do DVD comemorativo dos 25 anos de carreira dos Raimundos e confirmei minha presença. Adoro Digão e o rock dos Raimundos.

Sem ansiedade
A maternidade me trouxe serenidade na minha profissão, nos meus projetos e na vida pessoal. Quando tive Marcelo, minha vida foi preenchida e metade da ansiedade foi embora. O fato de ter muitos compromissos na agenda, me impede de estar mais tempo com ele. Aí divido os cuidados com o Daniel (marido da cantora). Quando chego em casa, depois dos shows, Marcelo está dormindo, mas antes de dormir fico um pouco com ele. De manhã sempre que possível vou levá-lo à escola. Às vezes, estou parecendo um zumbi, mas vou.

Pela simplicidade
Existem marcas, números e estatísticas que avaliam a importância das pessoas, lhe atribuem fama. Isso vale também para os artistas e mexe com a vaidade deles. Toda conquista traz satisfação, é preciso simplicidade para lidar com isso, para não fugir da realidade. Sem a simplicidade, pelo menos para mim, nada acontece. É na simplicidade que se encontra a essência do que você faz, na realização de um trabalho honesto. Aprendi com os meus pais a ter os pés no chão, a saber me relacionar com as pessoas, com meus fãs, de uma maneira tranquila, sem afetação.

Amor livre
Abomino qualquer forma de preconceito. O preconceito leva ao ódio à violência. O bom de ser artista, de ter representatividade, é a possibilidade de poder falar coisas relevantes e levar mensagem para muita gente. Para mim é inadmissível a pessoa ser hostiliza

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação