Contra a Bolívia, mas foi show

Contra a Bolívia, mas foi show

Seleção massacra o frágil adversário na terceira vitória em três jogos do técnico Tite no cargo

postado em 07/10/2016 00:00
 (foto: Vanderlei Almeida/AFP)
(foto: Vanderlei Almeida/AFP)

A volta da Seleção Brasileira a Natal, após 34 anos, teve exibição parecida aos velhos tempos em que se recebia a Bolívia por Eliminatórias de Copa do Mundo. Foi com massacre e a expectativa por mais e mais gols que a equipe aplicou o 5 x 0, na terceira vitória em três jogos do técnico Tite no cargo, resultado que mantém o Brasil na segunda posição do qualificatório do Mundial de 2018, que será na Rússia, com 18 pontos.

O prestígio do técnico lhe rendeu ter o nome gritado pelos 30 mil presentes na Arena das Dunas, em noite em que a goleada permitiu à torcida apreciar o 300; gol da carreira de Neymar e se divertir com Roberto Firmino. O atacante ouviu os gritos de ;Vai, Safadão;, em referência ao penteado semelhante ao do cantor Wesley Safadão. E ainda deixou o dele na goleada.

O Brasil atual não é mais só Neymar, outros 10 e acabou. Trata-se agora de uma equipe com variado repertório e o adicional de ter o craque do Barcelona para desequilibrar. Contra a Bolívia, por exemplo, o gol dele e a assistência para outros dois logo no primeiro tempo decidiram, é claro, para a construção do placar. Mas não foi só isso. A equipe encarnou o espírito coletivo pedido por Tite.

A cobrança insistente do treinador pelo jogo coletivo, marcação desde os atacantes e respeito ao adversário foram ingredientes para cativar a torcida na Arena das Dunas. Uma roubada de bola de Neymar no zagueiro Raldes iniciou o show brasileiro, com o gol do camisa 10.

Antes que parecesse a suspeita de ;Neymardependência;, o time parou de só jogar pela esquerda, desbravou o lado direito e chegou ao segundo, após ótima jogada de Giuliano para o gol de Philippe Coutinho.

Como Tite tanto pede, não houve menosprezo ao adversário, apesar da facilidade. O Brasil jogou como favorito e justificou essa condição. Até o intervalo foram mais dois. Neymar distribuiu um gol para Filipe Luís e outro para Gabriel Jesus. Com tamanha fartura, poucos se deram conta que o cartão amarelo para o craque o deixa suspenso do jogo contra a Venezuela, na terça-feira, em Mérida.

A fragilidade boliviana fez o Brasil diminuir o ritmo no segundo tempo. Foi a hora de tirar Neymar, antes que ele arrumasse uma expulsão, e fazer testes. A aposta em Roberto Firmino rendeu um gol de cabeça do atacante do Liverpool, já aos 29 minutos.

O quinto gol foi a senha para os gritos de ;olé; no estádio. O Brasil de Tite teve nova atuação convincente, capaz de fazer a torcida exagerar no fim, a ponto de gritar ;o campeão voltou;.

9; rodada

Equador 3 x 0 Chile
Uruguai 3 x 0 Venezuela
Paraguai 0 x 1 Colômbia
Brasil 5 x 0 Bolívia
Peru x Argentina*

*Não encerrado até o fechamento desta edição





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação