Santuário recebe duas elefantas libertadas

Santuário recebe duas elefantas libertadas

Os animais de 42 e 44 anos de idade, que foram resgatados de circo no estado da Bahia, brincaram e tomaram banho. O espaço oferece os cuidados veterinários necessários para que possam se recuperar física e emocionalmente da vida em cativeiro.

postado em 15/10/2016 00:00
 (foto: Santuario Elefantes Brasil
)
(foto: Santuario Elefantes Brasil )


Duas elefantas que eram atração de circos voltaram à natureza na quinta-feira, em Mato Grosso. Elas inauguraram o primeiro santuário de elefantes da América Latina, localizado na Chapada dos Guimarães, a 65 quilômetros de Cuiabá.

Maia e Guida chegaram ao santuário na terça-feira, 11, e passaram dois dias no Centro de Tratamento Médico. Na quinta, elas foram liberadas da área limitada, brincaram com a terra e tomaram banho. O trâmite nos órgãos ambientais durou cerca de um ano, até a obtenção de licença para o empreendimento e a autorização de uso e manejo para receber os animais.

As duas elefantas foram confiscadas de um circo na Bahia e viviam havia seis anos em Paraguaçu, no sul de Minas Gerais. Maia, que tem cerca de 44 anos, e Guida, de 42 anos, terão cuidados veterinários. "Sociedades ao redor do mundo estão começando a perceber os traumas que causam aos animais", disse Scott Blais, americano que já havia colaborado com iniciativa parecida nos Estados Unidos e ajudou a fundar o santuário.

Blais e sua esposa estão há dois anos no Brasil, buscando locais para abrigar elefantes na América Latina. Há uma estimativa de que mais de 50 elefantes que vivem em cativeiros na região possam habitar o local. A fazenda, de 1,1 mil hectares, foi adquirida com a ajuda de organizações internacionais.

O espaço passa a receber animais resgatados em situação de risco e oferecerá os cuidados necessários para que possam se recuperar física e emocionalmente da vida em cativeiro. No momento, as elefantas terão acesso a uma área de meio hectare, enquanto não é estruturada a segundo parte da fazenda.

No santuário, haverá câmeras que permitirão a cientistas e curiosos observar os animais sem importuná-los. Especialistas dizem que os elefantes não sobreviveriam se soltados em sua terra-natal, no caso, na Ásia, já que passaram a vida inteira em cativeiro. Para resolver problemas como esse, santuários já foram criados nos Estados Unidos, na Tailândia, na Malásia e, agora, no Brasil, pela primeira vez.

Os elefantes são considerados animais inteligentes e complexos, tanto do ponto de vista emocional, quanto social. Espécies que possuem os maiores cérebros têm melhor desenvolvimento do córtex cerebral e maior capacidade de aprendizagem, além da habilidade de reter informações por mais tempo.

O santuário recebe doações, que podem ser feitas em espécie, ou mesmo com equipamentos e materiais de construção, de solda, veículos e aço para as construções.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação