Indiana "Maravilhosa" Nomma

Indiana "Maravilhosa" Nomma

» Irlam Rocha Lima
postado em 15/10/2016 00:00
 (foto: Márcia Moreira/Divulgação)
(foto: Márcia Moreira/Divulgação)






Desde que se radicou no Rio de Janeiro, na década passada, Indiana vem se dedicando mais a projetos que têm o blues e o jazz como foco principal. Essa é uma das várias facetas da cantora, nascida em Honduras, que começou a se projetar artisticamente aqui na cidade, nos anos 1990, como vocalista do grupo BSB Disco Club.

;Nunca consegui me ater a um estilo musical só. No Rio, estou em temporada há três anos, no piano bar de um hotel da Zona Sul, com um show em que misturo jazz com Bossa Nova. Já no Dolls and dames, o projeto que tenho desenvolvido com apresentações mensais no Feitiço Mineiro, ao lado de Ema Thomas, interpreto predominantemente blues;, diz Indiana. ;Em breve vou lançar um CD com releituras de clássicos de Bob Dylan, Victor Young e Beatles, em ritmo de bossa;, acrescenta.

Quem for hoje ao Espaço Cultural do Choro, porém, vai ouvi-la cantar muita MPB. Tem uma explicação para isso: o show, com início às 21h, é para ela lançar o álbum que traz seu nome no título, gravado em Brasília no qual contempla nas nove faixas canções de compositores locais. Só de Ângela Brandão, ela incluiu cinco: Maré e sorte, Requebrado, Devolve, Pescador e Frestas ; as duas últimas feitas com André de Moraes. Outro que comparece é Eduardo Rangel, autor de Clown e Te amo do fundo do meu fígado.

Homenagem
;Brasília nunca saiu de dentro de mim, até porque foi a cidade onde morei mais tempo da minha vida. Sou calanga-candanga e precisava fazer essa homenagem aos compositores brasilienses. Considero Ângela Brandão a Noel Rosa de saias. André de Moraes foi músico de uma das primeiras bandas que formei. Eduardo Rangel é um ariano com acedente em escorpião, igual a mim. Todos eles conseguiram verbalizar meus sentimentos por meio de suas músicas.;

O repertório se complementa com Isopor, dos paulistas Kleber Albuquerque e Élio Camalle, e Eso, de Berat Kaesti, Magos Herrera e Benjamim Stivers.;Como vivo o que interpreto, as canções, elas precisam retratar fielmente meus sentimentos, minha personalidade. Por isso, quem ouvir esse repertório vai encontrar canções românticas, engraçadas, introspectivas e extrovertidas, que revelam as minhas facetas;, afirma a cantora.

Todas as músicas do CD Idiana Nomma foram relacionadas no roteiro do show, que conta ainda com outras do CD Unexpected, que foi um dos três finalistas da edição de 2016 do Prêmio da Música Brasileira, na categoria álbum de língua estrangeira, gravado por ela com o pianista Osmar Milito. ;Escolhi para esse show do Clube do Choro, Sweet Georgia Brown (Ben Bernie, Maceo Pinkard e Keneth Casei), Insensatez (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), Sabiá (Tom Jobim e Chico Buarque), além de O meu amor (Chico Buarque) e Rio Amazonas (Dori Caymmi). Indiana tem a companhia de Oswaldo Amorim (baixo), Daniel Baker (piano), Rento Glória (bateria). O tompetista Marcos Santos é o convidado especial.

Indiana Noma
Show de lançamento de CD da cantora, acompanhada por banda, hoje, às 21h, no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental, ao lado do Centro de Convenções Ulysses Guimarães). Ingressos: R$ 30 e R$ 15. Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação