Mudanças que deram certo

Mudanças que deram certo

postado em 18/10/2016 00:00

Com a audiência em queda nos últimos anos, a tevê aberta abriu os olhos para o que seria um possível fim de uma hegemonia e aos poucos tenta se reinventar. Um dos primeiros sinais disso foi a mudança no formato das novelas. Como as tramas tradicionais estavam perdendo o interesse do público, as emissoras começaram a buscar inovações. A primeira novidade foi a procura de um novo jeito de contar histórias. Assim, emissoras criaram tramas que apostavam em linguagens diferenciadas.

Um bom exemplo é a novela Além do tempo (Elizabeth Jhin), exibida em 2015 na Globo, que, na primeira fase, se passou no século 19 e, na segunda, apresentou um salto de 150 anos, quando todos os personagens reencarnavam e tinham uma nova chance de corrigir os erros das vidas passadas. O formato de duas histórias em uma mesma novela garantiu alta audiência para a produção, que encerrou seus capítulos superando o Ibope das quatro tramas anteriores da faixa das 18h. ;As telenovelas ainda são o principal produto da televisão brasileira. Ocorre, no entanto, que a fórmula batida desgasta a relação com quem assiste. Aquela velha história de que as novelas se repetem uma após a outra. Ou nossos veículos se atualizam, ou a queda de audiência será ainda mais perceptível. Mas todas essas mudanças (feitas pelas emissoras da tevê aberta), no entanto, ainda são muito experimentais;, analisa Endrigo Annyston, editor do site RD1, especializado em audiência da tevê.

Mais um recurso utilizado pelas emissoras foi a aposta em produções mais ágeis, como minisséries e séries, a exemplo de sucessos como Amores roubados (George Moura) e Felizes para sempre? (Euclydes Marinho). ;Acredito que os formatos mais curtos, sem o compromisso diário ou sem a necessidade de passar meses seguindo, sejam mais interessantes para o telespectador, que hoje buscam mais agilidade e, não por acaso, cobram muito das novelas especialmente em redes sociais;, completa Annyston. Outra alternativa foi a criação de novos horários para exibir as tramas, como a faixa das 23h, que, na Rede Globo, teve grandes sucessos como Verdades secretas (Walcyr Carrasco) e O rebu (Bráulio Pedroso), e ainda a conexão com a internet. O seriado Supermax, de José Eduardo Belmonte, teve todos os episódios (exceto, o último que será exibido apenas na televisão) divulgados primeiro no serviço on demand, assim como Justiça, que teve quatro capítulos revelados antes na plataforma, e produções que tem conteúdos exclusivos para a internet ; Totalmente demais, ganhou uma websérie Totalmente sem noção demais após o fim da trama, e Malhação.

Atrações
Os canais da tevê aberta ainda passaram a ter outros formatos além das telenovelas como alternativa para melhorar a audiência perdida nos últimos anos, como a forte presença de reality shows. Atualmente, a tevê mantêm diversas produções deste formato na programação ; The voice Brasil, The X factor Brasil e Masterchef profissionais são alguns exemplos ;, sejam elas como atrações principais, ou ainda, como quadros de atrações consagradas, a exemplo de Dança dos famosos, em Domingão do Faustão, e da franquia MasterChef, que fez a Band ultrapassar a Globo em audiência.

Apesar dos números da Ancine mostrarem uma realidade complicada para a tevê aberta ainda é difícil pensar que esse será o fim dos canais. Afinal de contas, a crise econômica do país foi responsável por aumentar a audiência dos principais canais em 2016. Segundo dados divulgados pelo site Uol, Band e RedeTV! tiveram um aumento de 11% em comparação com janeiro e maio de 2015. Enquanto Record e Globo, conseguiram ganhos de 7% e 2%, respectivamente. Apesar, o SBT não registrou aumento.



R$ 24,5 bilhões
Renda gerada pelo setor de audiovisual na economia brasileira em 2014, segundo a Ancine

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação