Dinheiro suspeito no banheiro do Buriti

Dinheiro suspeito no banheiro do Buriti

Ana maria campos/anacampos.df@dabr.com.br
postado em 25/10/2016 00:00
 (foto: Divulgacao PCDF)
(foto: Divulgacao PCDF)

Polícia Civil investiga sacola de dinheiro encontrada no Buriti

Uma sacola contendo cédulas de R$ 50 foi encontrada no forro do banheiro masculino da ala oeste do 14; andar do prédio anexo ao Palácio do Buriti, onde funciona a Controladoria-geral do DF. O dinheiro estava parcialmente destruído e manchado com uma tinta rosa, o que pode caracterizar que tenha sido roubado de algum caixa eletrônico. A história surgiu em depoimentos prestados pelo diretor de gestão de próprios, Rodrigo da Silva Neves, do prédio e da líder da vigilância, Fernanda Carvalho da Silva. Eles contaram em relatos à 5; Delegacia de Polícia, na área central de Brasília, que a sacola foi descoberta durante uma varredura, realizada no último sábado, nos sanitários e copas do anexo do Palácio do Buriti.


Dinheiro marcado

O dinheiro foi encaminhado ao Instituto de Identificação da Polícia Civil para análise da procedência e dos danos. O caso será apurado pela Delegacia de Repressão a Roubos e Furtos (DRF), responsável por investigações complexas relacionadas a explosões de caixas eletrônicos, como a Operação Hostibus, que desbaratou uma quadrilha especializada nesse tipo de crime. A técnica de manchar o dinheiro é usada por instituições financeiras para marcar o dinheiro quando há arrombamento de caixas bancários.




Sem oposição

Embora tenha participado de jantar político com a presença de Tadeu Filippelli, Jofran Frejat e outros políticos, na casa do deputado Izalci Lucas, o empresário Paulo Octávio disse à coluna que não se coloca como adversário do governador Rodrigo Rollemberg. ;Não sou oposição a ninguém. Na condição de empresário, tenho ouvido correntes políticas em busca de propostas que contemplem a expansão econômica do DF, única forma de sairmos da crise financeira em que nos encontramos;, disse à coluna.



Valmir paga R$ 30 mil a Filippelli

O ex-senador Valmir Amaral tem feito o maior barraco para acusar políticos de cobrarem propina de empresários do transporte público coletivo. Por conta de um ataque a Tadeu Filippelli, o empresário terá de desembolsar R$ 30 mil ao ex-vice-governador por danos morais.



Longe de confusão

Quem está curtindo a vida longe da crise na Polícia Civil é o ex-diretor-geral Pedro Cardoso. Aposentado, o delegado é lembrado pelos colegas nos embates que a cada dia ficam mais tensos, mas garante que está longe de confusão. Prefere passar parte da semana na ;roça;. ;Fechei esse ciclo;, diz.




Novo local para a Mapoteca

O governo transferiu o arquivo de 20 mil mapas e plantas históricas de Brasília para o Arquivo Público. O acervo da chamada Mapoteca estava acondicionado de forma improvisada em um prédio da Asa Norte, próximo à Universidade de Brasília, o que motivou duras críticas de entidades atuantes na preservação da capital federal. Documentos importantes, como plantas originais do arquiteto e urbanista Lucio Costa, despareceram nas últimas décadas, por conta da recorrente falta de cuidado com o material. O GDF fez uma licitação de R$ 12 mil para concluir a transferência da Mapoteca para o Arquivo Público.





Mantido veto a memorial

O Instituto Presidente João Goulart entrou com recurso administrativo contra a decisão do governo que, há um ano, anulou o convênio para a construção do memorial em homenagem ao ex-presidente, deposto pelo regime militar. Na semana passada, a Secretaria de Cultura indeferiu o recurso e manteve a nulidade do convênio. O Memorial João Goulart seria construído entre o Memorial JK e a Catedral Rainha da Paz. Mas a edificação suscitou questionamentos da comunidade e do Ministério Público, o que levou o GDF a desistir do convênio.


Decreto antigreve sem validade

Quando o governo diz que a suspensão do decreto antigreve pela Câmara Legislativa não tem nenhum impacto, fica claro que não havia necessidade de publicar as regras contra paralisações, como corte de ponto e abertura de processo administrativo disciplinar, no Diário Oficial. Foi mesmo um recado do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) aos servidores, do tipo: ;depois não diga que não avisei;.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação