>> Sr. Redator

>> Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato. E-mail: sredat.df@dabr.com.br

postado em 31/10/2016 00:00

Água
Cada vez mais a população deve se conscientizar sobre o dever de aprender a ecomizar água. Fazer bom uso do líquido e com mais qualidade devem ser a tônica que se impõe daqui para a frente. Afinal, somos e seremos responsáveis pela água que pode faltar ao vizinho, às comunidades ou a nós mesmos. Há muitos bons exemplos sobre essa economia e é importante que esse debate sobre a água chegue às famílias, às comunidades educacionais ou a quaisquer polos geográficos. Se não fizermos economia, logo teremos a seca plainando em nosso corpo e alma. Fica a reflexão: a água merece mais atenção, sempre.
; Antônio Carlos Sampaio Machado,
Águas Claras


Harmonia
O presidente Michel Temer falar na necessidade de ;harmonia plena entre os três poderes da República; é puro cinismo. Tanto a harmonia quanto a independência dos poderes, prescritas pela Constituição, são algo inexistente na prática da República do Brasil. Não há como pressupor tal independência quando os membros da Suprema Corte são nomeados pelo chefe do Executivo e os ministros de Estado, com frequência, eleitos pelo povo para o Legislativo, são guindados a postos no governo federal. Quando há projetos de interesse do governo, o ministros parlamenares voltam ao Congresso para votarem. Isso transforma a badalada harmonia em puro servilismo. Urge urgente reforma da Constituição para corrigir tais excrescências.
; Elizio Nilo Caliman,
Lago Norte


Banquetes
Em menos de um mês, o governo federal conseguiu aprovar a PEC do Teto, em dois turnos, na Câmara. Na primeira votação, o presidente Temer ofereceu um laudo banquete a cerca de 400 deputados. Na véspera do segundo turno, fausto coquetel foi servido na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Agora, a PEC está no Senado para passar por duas votações. O que não será servido aos próceres da Câmara Alta para convencê-los a fazer o que deseja o Executivo? A conta de tantas gentilezas para convencer parlamentares tem que ser apresentada à sociedade, pois os congressistas estão no grupo dos que recebem os mais altos salários do país. Se para trabalhar têm que se refastelar em banquetes e coquetéis, a economia pretendida por meio da PEC já foi digerida.
; Eduarda Lopes de Souza,
Águas Claras

Caráter
O presidente do Congresso, Renan Calheiros, é um dos atores políticos mais dissimulados que já vi até agora. Ele supera o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, recolhido à carceragem de Curitiba para pensar no cantinho. Ao fim da reunião sobre o pacto contra a violência, ele elogiou publicamente a ministra Cármen Lúcia, como se fizesse parte do bloco de cidadãos brasileiros que são ;exemplo de caráter;. Enrolado num novelo de 12 possíveis inquéritos por corrupção, ele debocha da população quando fala em ;caráter;. Não se pode esquecer que ele integra o grupo de parlamentares que vêm tramando contra a Operação Lava-Jato, com a esfarrapada justificativa de que é preciso impedir os abusos de autoridade. Não dá para levar a sério nenhuma proposta de pacto. Isso é mais uma manobra para desviar a atenção da sociedade e nada mais.
; Filipo Guckeret,
Asa Norte


Agnelo e Filippelli
A melhor notícia da semana teve origem no Tribunal Regional Eleitoral, que decidiu tornar inelegíveis o ex-governador Agnelo Queiroz e o seu então vice-governador Tadeu Filippelli. Por mais que o novo seja um tiro no escuro, sobretudo no mundo político, o Distrito Federal não merece o retorno desse pessoal e de outros alojados na Câmara Legislativa de volta aos poderes locais. Até agora, o eleitor brasiliense não conseguiu acertar na escolha de deputados distritais e muito menos dos ocupantes do Palácio do Buriti. Se a cidade desagrada à maioria dos moradores, a responsabilidade é dos votantes, que ainda se iludem com falsas promessas dos candidatos. Em 2018, será o momento de os eleitores se redimirem.
; Magnólia Fonseca de Araújo,
Lago Norte



Privilégio
A Associação de Juízes consulta os magistrados para saber a melhor maneira de extinguir o foro privilegiado. Ora, se a Constituição Federal de 1988 diz no art. 5; que todos são iguais perante a Lei, qual é a dúvida? Que eu saiba, o artigo não diz: Todos são iguais perante a lei, exceto parlamentares, ministros etc.
; Marcelo Rechetnicow,
Grande Colorado

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação