Imersão na cultura dos personagens

Imersão na cultura dos personagens

Atores de novelas que estão no ar, como Sol nascente e Escrava mãe, revelam laboratório para interpretar papéis nos folhetins

Adriana Izel
postado em 04/12/2016 00:00
 (foto: João Miguel Junior/Divulgação)
(foto: João Miguel Junior/Divulgação)




A preparação de um ator para viver um personagem em uma novela pode ser muito maior do que pensar sobre a personalidade, trejeitos e características físicas do papel que será interpretado. Há aspectos, cenários e contextos em que o personagem se encontra que podem ser essenciais para a construção.

Conhecer o ambiente, estudar a linguagem e conviver com pessoas que pertencem àquele universo são alguns dos processos importantes para os atores na hora de conceber um personagem de um núcleo específico de um folhetim. É o laboratório. Pelo menos duas novelas que estão atualmente no ar na televisão aberta tiveram esse tipo de preparação.

Uma delas é Sol nascente, atual trama das 18h da Rede Globo. A produção se passa na fictícia Arraial do Sol Nascente, local em que se instalam as caiçaras, mulheres nômades que se sustentam da pesca artesanal. O núcleo é formado pelas atrizes Cinara Leal, que vive Vanda; Juliana Alves, intérprete de Dora; Erika Januza, que dá vida a Julia; e Tatiana Tiburcio, que faz Chica, que é casada com Tiago, papel de Marcello Melo Jr.

;Assim que soube da novela, eu mandei um e-mail para a produtora de elenco dizendo que gostaria de participar. Eu, inclusive, sabia desse núcleo, que me deixou bastante interessada;, revela a atriz Cinara Leal em entrevista ao Correio. A intérprete conta que se apaixonou pelo universo das pescadoras e que, assim que conseguiu o papel, foi para Paraty para uma imersão com pescadores rústicos. ;Peguei um ônibus, fui para lá e passei um fim de semana com eles. Foi uma experiência nova;, lembra.

Dinâmica de laboratório

Além do fim de semana em Paraty, ela acompanhou os pescadores em Copacabana (RJ), local em que eles pescam diariamente. Cinara Leal aprendeu a pescar e a costurar rede. ;Coloquei a mão na massa mesmo. Cortei o dedo. Aprendi a pegar caranguejo. Foi uma troca muito rica;, explica.

Os outros atores também participaram de um workshop proposto pela emissora, em que treinaram para as cenas de pesca. ;Sabia que seria um desafio viver um personagem tão rico e forte. Sabia que era preciso estar familiarizada com isso. Era algo que me preocupava. Hoje me sinto muito à vontade;, afirma a atriz.

Saulo Meneghetti, um dos galãs de Escrava mãe (trama das 19h da Rede Record), foi outro ator que fez laboratório recentemente para interpretar Charles de Alencastro, jovem que faz parte do movimento contra a escravatura na novela. Em entrevista a revista Caras, o ator contou que se aprofundou nos costumes do século 19.

;Tivemos um preparo com acompanhamento de historiadores, palestrantes e pesquisadores especialistas sobre o tema central da novela e uma fonoaudióloga que nos orientou quanto ao linguajar da época;, comenta. Pelo personagem de Meneghetti ser um abolicionista, o ator conta que leu vários livros e artigos relacionados à escravidão.


; Cultura indígena
O elenco de Novo mundo, próxima novela das 18h da Rede Globo, começou a fazer uma preparação específica para trama. Atores, como Yanna Lavigne (foto), Rodrigo Simas e Giullia Buscacio, que interpretarão índios, fizeram uma visita a aldeias indígenas no Norte do país para aprender palavras em tupi-guarani e mais sobre a cultura dos povos. A estreia do folhetim de Alessandro Marson e Thereza Falcão está prevista para o primeiro trimestre de 2017.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação