Grita geral

Grita geral

grita.df@dabr.com.br (cartas: SIG, Quadra 2, Lote 340 / CEP 70.610-901)

postado em 10/12/2016 00:00
 (foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)

CEILÂNDIA
OBRAS ATRASADAS

O posto de saúde da expansão do Setor O (Ceilândia) está fechado para reforma desde abril de 2014. Há dois anos, a população espera por uma obra que aparentemente não começou. De acordo com o leitor Cláudio Fernandes, 54 anos, a promessa era de que estivesse pronto em novembro daquele ano, no entanto, não foi o que ocorreu. ;O posto está abandonado. Não se vê nenhum movimento lá, as grades estão tampadas com placas de madeira. Não temos nenhum retorno do governo;, explica.

A Secretária da Saúde afirma que as obras no Centro de Saúde 11 de Ceilândia foram iniciadas em abril de 2014 e interrompidas no fim de 2014, por falta de recursos, necessidade de ajustes e pendências junto à Caixa Econômica Federal. ;As questões relacionadas aos recursos e ajustes já foram resolvidas e as pendências com a Caixa estão sendo solucionadas;, relata. De acordo com o órgão, a previsão é de que a obra seja retomada em janeiro de 2017 e concluída no fim do primeiro semestre do mesmo ano. A secretaria ainda acrescenta que o atendimento foi transferido para o centro de saúde número 7, também no Setor O.




SETOR DE CLUBES SUL
OS BURACOS DE BRASÍLIA

A leitora Natália Lyra, 21 anos, reclama do buraco que se encontra no viaduto que dá acesso à Ponte JK, na faixa da esquerda, no sentido Plano Piloto. A estudante conta que, para desviar, os motoristas ou precisam invadir a outra faixa ou quase subir na guia. ;De um lado, a barreira de proteção de concreto que separa os sentidos; do outro, uma fila de carros a 80 km/h. Aí é só escolher: raspar no muro, bater no carro da direita, furar o pneu e empenar a roda ou testar manobras arriscadas para fugir da cratera;, detalha. Natália ainda ressalta que uma amiga passou por lá, caiu no buraco e achou que tinha estourado o pneu. Quando foi ao posto, de fato, a roda do carro estava menos calibrada do que a outra. ;Para as pessoas que vêm distraídas ou que não conhecem cada pedacinho da pista, quase não tem como desviar;, completa.

O DER informou que faz vistorias permanentes na malha viária, assim como considera importante informações advindas dos cidadãos. O órgão assegura que fará vistoria no local para solucionar a demanda apontada.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação