Iniciativa na hora certa

Iniciativa na hora certa

postado em 14/12/2016 00:00



Em boa hora, o governo federal anunciou o lançamento de um pacote de medidas para estimular a economia, focando principalmente na geração de empregos e renda, decisão que vem complementar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do teto dos gastos públicos, aprovada no Senado Federal em segundo turno e com promulgação prevista para esta semana. Com o controle dos gastos da administração federal ; nos próximos 20 anos, o Executivo federal só poderá aumentar os investimentos de acordo com a inflação acumulada no ano anterior ;, fundamental iniciativa foi levada a cabo para o ajuste fiscal no país.

A equipe do presidente Michel Temer, tendo à frente o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acerta em não se deixar envolver pelos embates políticos ora em curso na nação, e se volta, paralelamente, às preocupações macroeconômicas, para a retomada da agenda microeconômica, visando o aumento da produtividade da economia em diversos setores, conforme declarou o próprio ministro em encontro na Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Tendo como principal preocupação a reversão dos altos índices de desemprego, a equipe econômica deverá anunciar investimento de R$ 1 bilhão para a manutenção de 200 mil postos de trabalho, dentro do Programa de Sustentação do Emprego (PSE). Haverá a opção pela redução da jornada de trabalho em até 30%, acompanhada da diminuição do salário em igual proporção. O programa prevê que a metade do desconto do salário, que também pode chegar a 30%, seja de responsabilidade do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

O governo não pode ficar imobilizado pelas discussões no parlamento e as revelações da Operação Lava-Jato, sob pena de se perder a oportunidade de promover a retomada do desenvolvimento do país. Quando o presidente Michel Temer afirma aos parlamentares da base aliada que novas medidas serão tomadas para o aquecimento da economia, espera-se que o Congresso Nacional dê sua parte de contribuição para o Brasil se recuperar da mais grave recessão de sua história.

Com a aprovação do controle dos gastos públicos e o início da discussão da reforma da Previdência, prevista para iniciar-se ainda este ano na Câmara dos Deputados, o Palácio do Planalto mostra determinação em combater a inércia da economia. E ao anunciar medidas na gestão da microeconomia, visando impactar a economia antes da chegada de 2017, demonstra compromisso com a volta do crescimento do Brasil. A expectativa é que as demais esferas de poder no país contribuam com esse esforço.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação