grita geral

grita geral

postado em 14/12/2016 00:00
 (foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)

ATENDIMENTO
FALTA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA


A dona de casa Lourdes Nunes, 54 anos, reclama do atendimento médico na cidade. A filha de Lourdes tem 34 anos e tem deficiência mental e precisa de tratamento de profissionais da psiquiatria, pois, além das questões diárias, tem crises nervosas e precisa de calmantes para se estabilizar. Por ser filha de um policial militar, tem direito ao atendimento médico no Hospital da Polícia Militar, mas, desde 6 de janeiro deste ano, os pais da mulher estão pagando consultas particulares com psiquiatras, pois, segundo o relato, o hospital não está liberando consultas nessa área para os dependentes. ;O hospital só tem um psiquiatra e, por esse motivo, eles alegam que estão dando preferência para os próprios policiais. Mas minha filha é dependente de um, o dinheiro para utilizar a hospital é descontado do salário dele. Ela tem direito;, afirma Lourdes. ;Antigamente se a gente apresentasse a nota fiscal recebíamos o dinheiro de volta. Agora, nem isso.;

; A assessoria da Polícia Militar informou quem desde setembro deste ano, eles não contam com clínica credenciada para a especialidade de psiquiatria. A explicação é que a clínica não quis prorrogar o credenciamento da PMDF. Porém, a corporação está elaborando novo edital para contratar profissionais dessa especialidade. Eles ressaltam que a PM só tem um médico psiquiatra em seu quadro de saúde e afirmam que o médico não conseguiria atender toda a demanda sozinho.

CEILÂNDIA
PROBLEMAS NO NA HORA


A leitora Carla Benjamim, 33 anos, denuncia que o Na hora de Ceilândia está com vários problemas há mais de quatro meses. Ela está tentando tirar a primeira via da Carteira de Identidade dos filhos e a segunda via da dela, no entanto, os funcionários do órgão nunca a atendem. ;Uma atendente foi muito grosseira comigo quando perguntei o motivo de os funcionários que emitem as cédulas de identidade não estarem exercendo as funções. Ela simplesmente gritou comigo e falou que o sindicato não estava permitindo que eles trabalhassem;, relata. Hoje, o Na Hora da cidade fechou e os funcionários afirmaram que não fariam mais atendimento até o fim do dia.

; A Secretaria de Justiça e Cidadania informou que o sistema de ar-condicionado do Na Hora de Ceilândia está em manutenção. Por isso, os trabalhos foram suspensos, por um breve período, na manhã de ontem. ;A interrupção das atividades durou menos de uma hora, sem maiores prejuízos para a população. No entanto, o público que estava com atendimento agendado, mas não conseguiu concluir a demanda solicitada, terá prioridade nos próximos dias;, afirmou o órgão. Já a gerência do posto do Na Hora de Ceilândia disse que não houve registro de ocorrências fora da normalidade e disse que vai apurar o que ocorreu.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação