Guerra de estrelas olímpicas em Osasco

Guerra de estrelas olímpicas em Osasco

Maíra Nunes
postado em 10/02/2017 00:00
 (foto: CBV/CB/CB/D.A Press
)
(foto: CBV/CB/CB/D.A Press )



Quatro medalhistas olímpicas defendem o adversário de hoje do Brasília Vôlei. No Osasco, as levantadoras Dani Lins e Carol Albuquerque e a ponteira Tandara têm, cada uma, um ouro no currículo. Nesta temporada, o time ainda contratou a sérvia Tijana Malesevic, que ganhou a prata nos Jogos do Rio-2016. Mesmo com o elenco recheado de estrelas, a equipe paulista tropeçou no primeiro turno, em Taguatinga, diante do Brasília, da bicampeã olímpica Paula Pequeno e do medalhista de ouro Anderson Rodrigues, treinador da equipe. Hoje, os dois clubes voltam a se enfrentar, às 21h30, desta vez, no Ginásio José Liberatti, na cidade paulista (transmissão pelo SporTV).

Ainda era início de temporada e o mês de novembro chegava ao fim em 2016 quando o Brasília Vôlei surpreendeu um dos maiores vencedores da principal competição nacional da modalidade ; o Osasco soma cinco títulos. Sob o comando de Anderson Rodrigues, estreando na função de técnico em uma Superliga, as meninas que representam a capital federal não permitiram que o rival atuasse como de costume. ;Fizemos um 3 x 0, mas não foi fácil. Agora, elas vão tentar a revanche em casa, num ambiente bom para elas, mas vamos como franco-atiradores;, avisa a ponteira Amanda.

Nos treinos que antecederam aquela vitória, Anderson distribuiu pancadas na bola, comuns nos tempos dele de atleta. O objetivo era intensificar a defesa para os ataques potentes de Tandara, que nasceu em Brasília e agora defende o Osasco. Fora de quadra, a torcida brasiliense pegou no pé da conterrânea a cada lance que o time da casa conseguiu freá-la. O triunfo contra um dos favoritos ao título causou êxtase no elenco e o impulsionou para uma sequência de vitórias importantes, contra Minas e Praia Clube.

Freguesia

Essa foi a primeira vitória do Brasília Vôlei sobre o Osasco, que ganhou nas outras 10 vezes que se enfrentaram, sendo, inclusive, o responsável por duas eliminações das brasilienses nos play-offs da Superliga. Na quarta temporada do time do DF, a intenção é brigar para terminar entre os quatro melhores e, assim, poder escolher os duelos a serem disputados em casa na fase de mata-mata. São 18 pontos em jogo nas seis últimas rodadas até o fim da primeira fase. Para se classificar, a equipe de Paula Pequeno precisa somar seis pontos.

O desempenho do Brasília Vôlei, no entanto, caiu no returno da Superliga. Mesmo assim, o time se mantém na quarta colocação, com 32 pontos, em uma campanha de 11 vitórias em 16 jogos. O Osasco está apenas uma posição acima da equipe brasiliense, mas conta com uma partida a menos. Em 15 confrontos, as comandadas de Luizomar de Moura venceram 12 e somaram 37 pontos. Portanto, nem com a vitória o Brasília consegue ultrapassá-lo. Por sua vez, o triunfo é importante para manter distância do Minas, que soma 27 pontos, na quinta colocação, e vive uma crescente com a entrada cada vez mais frequente da bicampeã olímpica Jaqueline.




Na TV
Superliga Feminina ; Returno
Osasco x Brasília Vôlei
21h30 SporTV



11
Número de duelos entre Brasília e Osasco, com 10 vitórias da equipe paulista



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação