O campeão não serve mais

O campeão não serve mais

CBF demite Rogério Micale seis meses após a conquista do ouro olímpico inédito do time sub-23. Sylvinho e Alessandro cotados

postado em 21/02/2017 00:00
 (foto: Odd Andersen/AFP - 20/8/16
)
(foto: Odd Andersen/AFP - 20/8/16 )



Menos de um ano após conduzir o Brasil ao inédito ouro olímpico com a equipe sub-23 nos Jogos do Rio, Rogério Micale está fora da Seleção sub-20. Ontem, a CBF confirmou o desligamento do treinador, pouco mais de uma semana depois do fracasso da equipe no Sul-Americano da categoria.

A saída de Micale não surpreende, afinal, na semana passada, a direção da CBF já havia demitido o coordenador das categorias de base da Seleção, Erasmo Damiani, pouco depois de o Brasil fechar o torneio continental em quinto lugar, fora da zona de classificação para o Mundial Sub-20. Assim, o treinador também acabou demitido, assim como os outros membros da comissão técnica.

O nome do substituto de Micale, assim como de quem vai suceder Damiani, ainda não está definido, mas a escolha terá a participação direta de Edu Gaspar, coordenador da Seleção Brasileira principal. E entre os nomes cotados para os cargos estão os de Sylvinho e Alessandro.
Micale estava à frente da Seleção Brasileira sub-20 desde maio de 2015, sucedendo Alexandre Gallo e levando o time até a final do Mundial da categoria, que perdeu para a Sérvia. Poucos meses depois, dirigiu a equipe medalhista de bronze no Pan de Toronto.

Posteriormente, também assumiu a Seleção Olímpica, diante da demissão de Dunga, e conseguiu levá-la ao ouro nos Jogos do Rio, depois de um início titubeante na competição, mas que terminou em título, com a vitória sobre a Alemanha, na disputa de pênaltis na decisão realizada no Maracanã.

O êxito da Seleção levou Micale a ter o contrato renovado pela CBF para o ciclo olímpico dos Jogos de Tóquio-2020. O próprio treinador, porém, havia reconhecido recentemente que seriam os resultados que assegurariam sua permanência à frente do Brasil para a próxima Olimpíada ou sua queda antes dos Jogos de Tóquio. Foi exatamente o que ocorreu agora, após o fracasso do Brasil no Sul-Americano disputado no Equador.



Processo contra Neymar
A Justiça da Espanha rejeitou os recursos apresentados por Barcelona, Santos, a empresa N & N e a mãe de Neymar, Nadine Gonçalves, depois que o juiz José de la Mata ordenou a abertura de uma audiência para a ação movida pela empresa DIS por alegar irregularidades na transferência do atacante para o Barcelona. A decisão do tribunal da Audiência Nacional é final e, por isso, não cabe recurso. Assim, os envolvidos vão ter de responder na Justiça pelas acusações de fraude na venda do jogador para o clube catalão, em 2013, quando deixou o time santista. A N & N é a empresa da família do jogador, que administra a carreira do astro brasileiro.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação