Tantas Palavras

Tantas Palavras

José Carlos Vieira
postado em 21/02/2017 00:00
Pavio negreiro

Eu vi a foto grotesca.
Ó, cena forte, dantesca!
Barras, ferros, frestas, vãos.
Da cela saiam mãos.
Mãos sofridas, mãos abertas.
Mãos abertas, bem libertas.
Libertas quae sera tamen.
Tamen, temam, tomem, clamem!
Foram-se os anéis e os dedos.
Dedos, medos e degredos.

Muitas vidas por um fio.
Já foi aceso o pavio.
Pavio curto, rasteiro.
Triste pavio negreiro.

Reajo! Encorajo!

Andrajo!
Arranca a cruz de teus lares!
Quilombo!
Fecha a porta dos teus ares!


Jorge Antunes




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação