Brasília-DF

Brasília-DF

por Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 23/02/2017 00:00


Quem não tem as ruas...

....Caça com o Congresso. Assessores diretos e aliados do presidente Michel Temer tentam convencê-lo a nomear um ministro político para a Justiça. O motivo é estratégico: ainda que escolhesse o mais irretocável currículo da área jurídica, Temer não terá apoio popular por causa disso. Logo, o melhor caminho, na visão dos aliados, é garantir a continuidade da ampla base governista no parlamento. O que não dá é para ficar sem os dois. Para aqueles que adoram um dito popular, o lema é: mais vale uma base parlamentar agarrada ao governo do que o povo e deputados voando.

Toma que
o filho é teu

Com o corte de juros anunciado ontem pelo Banco Central, o governo Michel Temer ensaia todo um discurso para mostrar que ;levantou o Brasil que o PT quebrou;. É o esquenta 2017 para o carnaval eleitoral de 2018.


Ministro
informal

Experiente articulador político, o ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) esteve com o presidente Michel Temer esta semana. Do alto de quem foi deputado federal por 11 mandatos, Henriquinho, como é conhecido, veio ajudar a traçar os cenários para tentar resolver os problemas da intrincada base de apoio. Há quem diga que, se Henrique estivesse livre da Lava-Jato, estaria com um gabinete no Palácio do Planalto.


Agora vai I

Enquanto a CPI da Lei Rouanet aquece os motores, o governo trabalha para se antecipar ao relatório. O ministro da Cultura, Roberto Freire, conseguiu a contratação de 148 servidores para analisar 20 mil prestações de contas da Lei Rouanet represadas na pasta ao longo dos últimos anos.

Agora vai II

Preocupado com a situação do Teatro Nacional, o ministro da Cultura, Roberto Freire (foto), procurou o governador Rodrigo Rollemberg. Ainda não definiram valores, mas haverá parceria entre o governo Temer e o DF para recuperar o teatro. ;No momento, não temos como recuperar tudo de uma vez, mas estamos conversando;, disse o ministro, o entrevistado de ontem do programa CB.Poder. Assista no site www.correiobraziliense.com.br.

Eunício e Renan

A oposição já está com saudades de Renan Calheiros no comando das sessões. Ontem, por exemplo, Eunício Oliveira cortou o microfone da líder do PT, Gleisi Hoffmann, por longos minutos. Furiosa, ela esbravejou: ;Cadê o meu direito de liderança?; Renan tratorava, mas deixava a oposição falar à vontade.

O susto.../ A votação para homologar o nome de Alexandre de Moraes ao Supremo Tribunal Federal estava pronta para começar e, no painel, nada de aparecer o registro de presença dos senadores da Paraíba. Logo veio a suspeita de vingança por parte do senador Raimundo Lira (PMDB-PB) por não ter sido indicado para a Comissão de Constituição e Justiça.

;Foi grande/ Foi um corre-corre para buscar os paraibanos. Afinal, Moraes não poderia ser aprovado com um placar baixo. Liga dali, manda WhatsApp de lá, eis que, por fim, os dois ausentes aparecem. Estavam em viagem com um ministro de Estado. Agora, caberá ao presidente Michel Temer chamar a atenção do ministro. Não se tira parlamentar de Brasília em dia de votação.

Vem que tem/ Mesmo às vésperas do carnaval, os americanos continuam de olho no cenário brasileiro. Hoje, por exemplo, o cientista político Murillo de Aragão profere palestra sobre o tema na Universidade de Columbia, em Nova York. Na visão dele, a economia está em fase
de recuperação, mas,

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação