Arrecadação sobe 0,36%

Arrecadação sobe 0,36%

» AZELMA RODRIGUES - ESPECIAL PARA O CORREIO
postado em 28/03/2017 00:00

A arrecadação de impostos e tributos federais em fevereiro somou R$ 92,36 bilhões, com alta real de 0,36% (descontada a inflação) sobre o igual mês de 2016. No primeiro bimestre do ano, a receita totalizou R$ 229,75 bilhões, com crescimento real de 0,62%.

Foi o segundo aumento mensal consecutivo, após a longa retração dos últimos dois anos, o que animou o chefe do Centro de Estudos Tributários da Receita Federal, Claudemir Malaquias. A Receita não revela com que projeções trabalha para 2017. Uma das razões para isso é que o Fisco iniciou estudos oficiais sobre o efeito do projeto de terceirização no mercado de trabalho, que o próprio secretário Jorge Rachid admitiu que deve reduzir as receitas.

;A recessão ainda dificulta nossas projeções;, disse Malaquias. Mas ele afirmou que, de forma geral, ;há uma aderência; com os números projetados pelo mercado financeiro, que apontam trajetória positiva para a economia como um todo. Pelos dados de fevereiro, Malaquias destacou que as empresas ;estão elevando suas perspectivas de realização de lucro;. Dois tributos que indicam faturamento e lucratividade ; o Imposto de Renda da Pessoa Juridica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) ; tiveram, em conjunto, alta de 15,65% sobre fevereiro de 2016, somando R$ 12,5 bilhões.

Outro fator positivo foi o ingresso de R$ 1,65 bilhão em royalties de petróleo, alta de 32,49% sobre fevereiro anterior. O aumento de produção do petróleo brasileiro fez mais diferença ainda quando se toma a arrecadação do primeiro bimestre deste ano: R$ 7,14 bilhões em royalties.

Se o IRPJ e a CSLL cresceram, assim como foi positiva a tributação sobre os ganhos de pessoas físicas com aplicações financeiras (R$ 522 milhões) no bimestre, caíram o Imposto de Iimportação (menos R$ 1,65 bilhão); as contribuições Cofins e Pis-Pasep (R$ 2,28 bilhões de retração) e a receita previdenciária (R$ 1,18 bilhão menor do que em janeiro-fevereiro de 2016).

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação