Entrevista / Ernesto Lozardo

Entrevista / Ernesto Lozardo

"Idade mínima de 65 anos é imprescindível"

postado em 28/03/2017 00:00
 (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press - 12/1/17)
(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press - 12/1/17)


Que tipo de alterações devem acontecer na reforma da Previdência?

Essa é uma das reformas mais amplas que o país já apresentou e mais adequada para o país no momento. Ela corrige uma série de distorções, mas tem algumas peculiaridades. Uma que pode ser objeto de negociação é a questão da pensão por morte. Às vezes, têm duas pessoas aposentadas e, se morre uma, é um pouco complicado, porque, às vezes, a renda das duas pessoas é a renda da família. Então, as despesas continuam. Deveria prevalecer metade da aposentadoria do falecido para a pessoa que permanece, ou outro cônjuge. Esse é um ponto que poderia ser melhorado.

Que pontos, na sua opinião, deveriam ter sido reforçados na reforma?

A questão da previdência complementar. Acho que o Estado pode garantir um teto básico. No mais, é abrir espaço para a previdência complementar nos estados e municípios. A grande saída para evitar o peso de uma possível alta da carga tributária é ampliar a previdência complementar.

A idade mínima de 65 anos para homens e mulheres é viável no Brasil?

A idade mínima é uma variável imprescindível na reforma. Toda a América Latina está com esse nível de 65 anos, a idade para aposentadoria e a equiparação para mulher. Isso dá uma credibilidade fundamental na questão tributária brasileira e no equilíbrio das contas públicas. Sem isso, nós não temos nem equilíbrio macroeconômico.

Muitos deputados têm reclamado das mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC). O que acha disso?

É uma situação muito complicada para o INSS. Estamos falando de um gasto de R$ 50 bilhões por ano. No Bolsa Família são R$ 26 bilhões. É mais que o dobro. Quando foi criado o BPC, o espírito foi correto, mas deve ser feita uma avaliação para ver se a pessoa tem ou não incapacidade laboral.


Ernesto Lozardo é presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação