Reforço de Corumbá chega em 2018

Reforço de Corumbá chega em 2018

A estimativa é do governador Rodrigo Rollemberg, que visitou as obras do sistema de captação de água, realizadas em conjunto com o Governo de Goiás. O problema é que a parte goiana da construção segue embargada sob suspeita de superfaturamento

» Deborah Fortuna Especial para o Correio
postado em 01/04/2017 00:00
 (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

No mais novo capítulo da crise hídrica na capital, uma nova promessa do Governo do Distrito Federal: as obras do Corumbá IV, iniciadas em 2011, devem ficar prontas até o fim do ano que vem, com o início da fase de testes previsto para setembro de 2018. A ideia é que o novo sistema de captação possa dar um alívio aos reservatórios que abastecem a cidade e é a principal aposta do GDF para encerrar a pior crise de abastecimento de água da história da capital. Entretanto, parte da construção está parada por causa de uma investigação do Ministério Público Federal (MPF). Há suspeita de superfaturamento.

O projeto é idealizado de forma conjunta entre a Empresa de Saneamento de Goiás (Saneago) ; responsável pela captação hídrica e pela construção de 15km da adutora ; e a Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb), que construirá os outros 15km. O GDF afirmou que pelo menos 65% da obra está concluída. Mas, durante todos esses anos, o sistema sofreu uma série de embargos por falta de recursos, problemas processuais ou decisões judiciais. ;Nós estamos fazendo todos os esforços junto ao Governo de Goiás, no sentido de garantir a retomada da parte da Saneago para que todo o sistema esteja em operação no fim do ano que vem;, afirmou o governador Rodrigo Rollemberg, em visita ao local.

A estimativa é que o sistema custe R$ 540 milhões e beneficie 1,3 milhão de pessoas nas duas unidades federativas. Além disso, o objetivo é que essa distribuição amplie em 70% a capacidade do abastecimento do DF. A captação será de 5,6 mil litros por segundo, divididos igualmente entre as duas regiões. ;Não Há outro manancial no DF que esteja em condições de proporcionar 2,8 mil litros por segundo. Essa obra é necessária;, comentou o presidente da Caesb, Maurício Luduvice.

No DF, os moradores do Gama, de Santa Maria e do Recanto das Emas farão parte da mudança. Já em Goiás, as regiões abastecidas vão ser as da Cidade Ocidental, de Luziânia, do Novo Gama e de Valparaíso. A captação da água bruta ocorrerá no reservatório da barragem de Corumbá IV, e será bombeada até a Estação de Tratamento de Água de Valparaíso, a 28km do ponto inicial. Depois, chegará ao DF e ao Entorno.

A fase de licitação e início do projeto começou em 2009, e a construção da parte da Caesb teve início dois anos depois. Em fevereiro de 2014, houve um embargo por falta de recursos e, em 2015, a obra foi retomada. Já a estatal goiana deu início à construção em 2010, mas parou logo em seguida por problemas processuais. Em 2015, houve a retomada, mas, um ano depois, paralisou novamente. Dessa vez, o motivo é que o MPF investiga irregularidades nos contratos de licitação. O diretor de Produção da Saneago, Marco Túlio de Moura, afirmou que o Ministério das Cidades está cuidando do parecer sobre a retomada das obras. ;Com ele em mãos, a Saneago retomará as obras em um curto prazo;, disse.

Pregão
O GDF abriu, ontem, um pregão eletrônico para a captação de água no Lago Paranoá. A medida emergencial também é para aliviar o sistema de captação atual e oferecer um reforço para a barragem do Descoberto, com a retirada de até 700 litros por segundo. O valor estimado da concorrência pública é de R$ 50 milhões, liberados pelo Ministério da Integração Nacional, e a obra deve ser executada em 240 dias. Os locais abastecidos pelo novo subsistema serão: Asa Norte, Itapoã, Lago Norte, Paranoá, parte de Sobradinho 2 e Taquari.

Atualmente, o fornecimento para essas regiões é feito pelo Sistema Santa Maria/Torto. Quando a captação do Lago for permitida, parte do volume da barragem de Santa Maria vai seguir para outros dois reservatórios ; um no Parque da Cidade e outro no Cruzeiro. A estrutura de bombeamento será construída na MI 4, no Setor de Mansões do Lago Norte, e captará água no braço do Torto, no Lago Paranoá. Trata-se de uma estação de tratamento de água compacta, com membranas de ultrafiltração, uma das mais modernas tecnologias para tratar água.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação