Cruz e ressurreição

Cruz e ressurreição

» DOM JOSÉ FREIRE FALCÃO Cardeal
postado em 08/04/2017 00:00

Há uma cruz que não é redentora. A cruz da maldade humana. Os assassinatos. O mau uso dos recursos do Estado em proveito de poucos. A ofensa à dignidade da mulher. A exploração econômica dos necessitados. A pobreza extrema. As guerras. A fome de grande parte da humanidade. Os atentados à vida humana desde sua concepção até o seu ocaso.


Mas há uma cruz salvífica. Os sofrimentos inevitáveis na vida humana, quando unidos à cruz redentora. A aceitação das contrariedades de cada dia na consciência das limitações da vida humana. A pobreza vivida com dignidade. A cruz do pobre, ao qual não falta uma casa, mesmo que modesta, para morar, o acesso à saúde pública, à educação para os filhos e o trabalho.


Não somos cristãos se não carregamos a cruz redentora de Cristo, não na revolta, mas na aceitação serena. Cruz que nos purifica e nos faz descobrir nos outros um irmão. Cruz que nos faz crescer humanamente e na graça divina. Cruz que redime a terra. Esta terra tão necessitada da mensagem evangélica e da graça de Deus. Cruz inseparável da ressurreição do Senhor. Cruz que não é termo, mas passagem, mesmo nesta terra, para a vida. A verdadeira vida. A vida da graça, mesmo nesta terra. Cruz que não é só sofrimento, mas também alegria. Força redentora.


Não podemos esquecer que nossa luz é o Cristo, nossa força é a sua cruz, como afirmou uma grande mulher, Maria Schmitz, em 1932, quando da ascensão do nazismo. Luz que não deixa de brilhar, mesmo na escuridão humana. Não podemos esquecer que Cristo nos salvou por sua cruz. Como escrevia a grande pensadora e mártir do nazismo, a carmelita Edith Stein: ;Não é a atividade humana que nos salva, mas somente a Paixão de Cristo;.


Mas a paixão é inseparável da ressurreição. No começo da fé cristã nesta terra, não havia uma Semana Santa. Somente a vigília de Páscoa. Numa só noite, celebravam-se a morte e a ressurreição do Senhor. Porque sua morte é inseparável de sua ressurreição. Sua morte é fonte de vida. Vida eterna.
Que a glória da ressurreição do Senhor ilumine nossas casas na mais santa de todas as noites, a vigília de Páscoa. Reunida a família em torno da mesa, celebre a Páscoa e prepare a última Páscoa para cada um de nós e a humanidade toda no fim da história, com a vinda de Cristo glorioso, começo e fim da tudo.
Que a celebração da ressurreição do Senhor, como dizia o papa Francisco, no começo de seu pontificado, ;signifique que o amor de Deus é mais forte que o mal e a própria morte. Signifique que a morte de Deus pode transformar nossa vida e florescer as regiões de deserto que há em nossos corações; (Mensagem de Natal, 31 de março de 2013).


Há, certamente, sombras em nossa história. História de um país, que nasceu com a celebração da cruz redentora. Mas há esperança. E é essa esperança que devemos alimentar. Não, o pessimismo doentio. Esperança de uma sociedade, em que o primado seja o bem comum de todos os cidadãos. Uma sociedade nova, nascida na vigília de Páscoa. E a vida que dela brota não é só a vida eterna, mas uma vida terrena digna de cada criatura humana, feita à imagem e à semelhança de Deus.


Não é um sonho. Mas uma realidade. Porque Cristo que ressuscitou e venceu a morte é o vivo na história humana. É luz e força para os seus discípulos e para todas as pessoas de boa vontade. Em vez de deixar-nos arrastar pelo pessimismo, que nos alimente a fé em Jesus Cristo ressuscitado, luz e força redentora. Seja a noite de Páscoa mais bela que a noite de um lar, descrita pelo grande poeta Augusto Frederico Schmidt:

;Senhor, a noite vem descendo,
A noite vem caminhando.
Nas casas dos homens vão se acender
as luzes
E será chegada a hora da ceia
E entre os familiares o pão será dividido;.
...............................................................

Vem, Senhor, contemplar a tua criatura
Tão ameaçada nesta viagem
Vem ver a imagem da tua criatura, Senhor,
Na sua breve noite sobre a terra.
Vem ver o homem, na sua imagem mais
pacífica,
Na sua imagem mais segura,
Quando a noite desce do alto
E, na casa do homem, se acendem as
luzes;(Senhor, a noite vem descendo).
Votos antecipados de uma Feliz e santa
Páscoa!

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação