Eixo capital

Eixo capital

helena mader / helenamader.df@dabr.com.br
postado em 15/04/2017 00:00

Odebrecht ajudou candidatos do Distrito Federal

A Construtora Norberto Odebrecht S.A. fez doações legais aos três principais candidatos ao Governo do Distrito Federal em 2014. Rodrigo Rollemberg (PSB) teve R$ 200 mil e Agnelo Queiroz (PT), a mesma quantia. Ambos os repasses foram feitos diretamente pela empreiteira aos candidatos. José Roberto Arruda recebeu R$ 170 mil, mas por meio de seu partido, o PR. Augusto Carvalho (SD) levou R$ 30 mil para sua campanha de deputado federal. José Henrique Oliveira de Souza, que foi candidato a distrital pelo PSB, recebeu R$ 20 mil. Ele teve 3,8 mil votos e ficou como nono suplente da coligação. O atual secretário-adjunto de Turismo, Jaime Recena (PSB), que disputou uma cadeira de deputado federal em 2014, foi beneficiado com R$ 30 mil em doações oficiais da Odebrecht.



Interesse na captação de água do Lago Paranoá e na expansão do metrô

O ex-diretor da Odebrecht Ricardo Roth Ferraz afirmou, em depoimento prestado no âmbito de sua delação premiada, que a empreiteira tinha interesse em futuras grandes obras do Distrito Federal. Entre elas o sistema de abastecimento de água do Lago Paranoá e a expansão do metrô. Segundo ele, o assunto teria sido tratado em uma reunião com representantes de várias construtoras, na casa do presidente da Via Engenharia, Fernando Queiroz. A reunião teria sido organizada a pedido de Agnelo Queiroz e Tadeu Filippelli, segundo Roth. Em um dos encontros, os dois candidatos estavam presentes, de acordo com o delator.



Apoio para o aniversário de Brasília

Paul Altit, o delator da Odebrecht que mencionou os supostos acertos relativos ao projeto do Setor Jardins Mangueiral, entregou ao Ministério Público uma sequência de e-mails sobre ;a solicitação do governador Arruda de um apoio da Odebrecht para o réveillon e para a comemoração dos 50 anos de Brasília;. O advogado do ex-governador José Roberto Arruda, Paulo Emílio Catta Preta, diz que não houve doações ilegais e que tudo está registrado na Justiça Eleitoral.




Acerto com supermercado no contrato do Mangueiral

Paul Altit fez menção ainda à cessão de um terreno na área comercial do bairro Jardins Mangueiral a uma rede de supermercados, que pagaria valores indevidos ao governo. Segundo o ex-executivo da Odebrecht, o acerto não se concretizou. Ele não menciona o nome da rede de supermercados.



;Assunto desconhecido;

O senador Eunício Oliveira, presidente do Senado Federal, reagiu ontem às declarações do delator da Odebrecht João Antônio Pacífico a respeito do Centro Administrativo. Pacífico disse que a Odebrecht fez conluio com a Manchester em 2008 e afirmou que, à época, ;a empresa era de Eunício Oliveira;. O presidente do Senado afirmou ontem, por meio de sua assessoria, que ;não é sócio nem acionista da Manchester;. ;Em 1998, quando foi eleito deputado federal pela primeira vez, Eunício transferiu legalmente todas decisões gerenciais e administrativas da empresa aos demais sócios. Logo, o assunto é desconhecido pelo senador;, garantiu.



Fim de prazo para Faraj

O prazo para a deputada Sandra Faraj (SD) apresentar sua defesa à Corregedoria da Câmara Legislativa termina na próxima terça-feira. A distrital é acusada de desviar R$ 150 mil de recursos da verba indenizatória. Depois de analisar os argumentos de Faraj, o corregedor da Casa, Juarezão (PSB), vai apresentar um parecer, que será posteriormente apreciado pela Comissão de Ética.



Supersalários de volta à pauta

A partir de quarta-feira, os deputados distritais poderão votar em segundo turno o projeto de lei do Executivo que acaba com os supersalários nas empresas estatais. O texto passou pela Casa em primeiro turno no último dia 5 e, para volta à pauta, é preciso aguardar 10 dias úteis. Esta semana, os parlamentares devem voltar a discutir a elaboração de um substitutivo.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação