Reino Unido vota sobre eleição antecipada

Reino Unido vota sobre eleição antecipada

GABRIELA FREIRE VALENTE
postado em 19/04/2017 00:00
 (foto: Daniel Leal-Olivas/AFP)
(foto: Daniel Leal-Olivas/AFP)



A repentina convocação de eleições antecipadas pela primeira-ministra Theresa May, em meio às negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), surpreendeu os meios políticos e pode dar à lider conservadora uma chance de enfrentar fortalecida o divórcio com o bloco. Com uma vantagem de mais de 20 pontos percentuais, nas pesquisas de opinião, a premiê pretende usar o bom momento para consolidar a maioria parlamentar e ampliar sua legitimidade na condução do Brexit. ;Precisamos de uma eleição geral e precisamos agora;, insistiu May.

A renovação do parlamento estava prevista para 2020, mas a chefe de governo pediu que sejam convocadas para 8 de junho. Os deputados devem decidir hoje sobre a proposta. A premiê rejeitou por meses a ideia de adiantar a votação, mas mudou de ideia por considerar essencial ;garantir a liderança forte e segura de que o país precisa; nos dois anos de negociações com Bruxelas.

A manobra permite que, se não houver nova antecipação, o próximo ciclo eleitoral se complete em 2022, três anos após o fim do período de negociações. ;Isso dá flexibilidade à implementação do Brexit e se alinha aos três anos de transição sugeridos pela UE;, observa Oliver Ilott, analista do Institute for Government.

Em paralelo às tratativas com Bruxelas, o governo de Londres terá de aprovar novas leis sobre temas como imigração, controles alfandegários e comércio exterior. Caso o Partido Conservador consiga ampliar a bancada ; hoje, com 330 das 650 cadeiras da Câmara dos Comuns ;, o processo deve ser facilitado.

Oposição
O líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, expressou apoio ao pedido de May e avisou que seu partido oferecerá ;uma alternativa efetiva; de governo. ;Saúdo a decisão da primeira-ministra de dar ao povo britânico a oportunidade de votar por um governo que dê prioridade aos interesses da maioria;, afirmou Corbyn, em comunicado.

Para Tim Bale, professor de ciência política da Universidade Queen Mary, o momento não é dos mais favoráveis para o Partido Trabalhista. Ele avalia que a votação pode dar aos conservadores a chance de ;esmagar; a oposição antes que ela tenha tempo de se reorganizar e escolher um líder mais popular. ;Isso dá a May um novo grupo de conservadores que, independentemente de quais sejam suas visões sobre a Europa e outras questões, saberão que devem seus lugares a ela. Quase certamente, isso significa que ela ficará menos presa aos ultraeurocéticos;, pondera.

A expectativa do estudioso é de que, em um cenário no qual os conservadores saiam fortalecidos, a transição do Brexit será mais suave. Diante do pedido de antecipação das eleições, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou que a alteração no calendário político britânico ;não modifica os planos da UE;. Logo após o anúncio, o Fundo Monetário Internacional (FMI) aumentou em meio ponto percentual, para a 2%, a previsão de crescimento da economia britânica em 2017, mas a bolsa de Londres fechou em baixa de 2,46%.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação