Previdência é, sim, decisão

Previdência é, sim, decisão

LEONARDO MEIRELES leonardomeireles.df@dabr.com.br
postado em 25/04/2017 00:00
A reforma previdenciária é necessária. Caso contrário, o país quebra. Diversas nações tiveram que fazer suas próprias alterações na contribuição para a seguridade social a fim de evitar o desequilíbrio das contas públicas. Mas, para variar, as autoridades que cuidam do assunto fizeram tudo errado. Ou, pelo menos, os pontos mais importantes. A demora na aplicação de mudanças, por exemplo. A educação financeira também, ao fazer o brasileiro pensar na aposentadoria desde cedo. Por fim, a frieza dos números apresentados é revoltante para quem ganha muito pouco e trabalho demais ; a maioria da população.


Por que a Previdência não foi pensada anteriormente? Como o governo ; e aí entram deputados e senadores também ; deixou que se gastasse 13% do PIB em benefícios previdenciários, um índice acima de qualquer outro país semelhante ao nosso em termos populacionais? Todos esses bastidores de tentativa de aprovação no Congresso Nacional resumem rasteiramente a resposta: o assunto é árido e nada popular. Não rende votos. Para que tratar disso durante as eleições, não é mesmo? A falta de responsabilidade é característica da classe política que tem nos enganado há tanto tempo.

Mais: desde que idade o brasileiro começa a falar sobre aposentadoria? Aliás, durante muito tempo, nem a questão financeira foi tratada em escolas, públicas ou privadas. Isso evita que, desde cedo, o cidadão questione a necessidade de quem ganha mais pague mais ; impostos ou contribuição previdenciária ; e financie os benefícios de quem recebe tão pouco e tem acesso a serviços públicos tão carentes, como hospitais. Os jovens precisam saber, por exemplo, sobre o envelhecimento populacional: eles sabem que, daqui a pouco mais de 30 anos, aqueles com mais de 65 anos passarão de 8% para 23% da população?

Diante de tantos casos de corrupção e o montante de dinheiro desviado todos os anos, como apresentam operações, como a Lava-Jato, muitos questionamentos aparecem. Por que empresas, classes ou entidades terão tratamento privilegiado, como, por exemplo, isenções tributárias? Por que não questionar com clareza a ausência dos militares na questão? Trabalhar durante 40 anos para ter uma aposentadoria integral ; como aplica a reforma ; é complicado para qualquer um. Se é um pedido de esforço total, qualquer categoria precisa fazer seu sacrifício, principalmente para as classes que acreditam que a reforma previdenciária seja somente uma necessidade, e não uma decisão.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação