Tantas palavras

Tantas palavras

Por José Carlos Vieira Esta seção circula de terça a sexta / cartas: SIG, Quadra 2, Lote 340 / CEP 70.610-901
postado em 25/04/2017 00:00

Lamentares

O tempo passou

E eu não consegui mudar

O que no fundo sou:


Uma ventania

Que venda sozinha,

Um deserto oco

Que não silencia,

A desolação tardia

Que esconde na rima,

O acre amargoso

Da vida contida.


Quisera encontrar os anjos,

Ouvir que o meu caso

Não é exclusivo.

Escutar que há outros

Em busca de abrigo.

Saber que enquanto

Uns morrem sofridos,

Nas torres de vidro

Se vive escondido.

Raul de Taunay, do livro Poemas ao desabrigo (ed. 7Letras)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação