Autoconhecimento com ajuda de cavalos

Autoconhecimento com ajuda de cavalos

postado em 30/04/2017 00:00
 (foto: Paulino Menezes/Divulgação)
(foto: Paulino Menezes/Divulgação)

Nem sempre o consultório é a melhor alternativa para os que vivem impasses e desejam enfrentar medos e inseguranças. Há seis meses em Brasília, o projeto Brasil Equus Coaching surgiu com o objetivo de proporcionar autoconhecimento e desenvolver competências individuais e profissionais, como afetividade, foco, autoconfiança e capacidade de trabalhar em equipe. O programa funciona em sistema de imersão e usa a comunicação (criatividade e inovação) e as dinâmicas com os cavalos.

Os participantes começam as atividades respondendo a um questionário sobre as expectativas, as necessidades e as metas que cada um tem para o curso. Assim, são elaboradas as dinâmicas a serem aplicadas individualmente. ;Em alguns momentos, abordamos temas como mudanças e transformações. Algumas atividades são feitas em cima do cavalo, mas podem ocorrer também na sala de aula. O importante é que são sempre exercícios elaborados para o perfil de cada pessoa;, explica a jornalista Fernanda Lambach, uma das facilitadoras.

Animais de diferentes personalidades são apresentados aos participantes, que os analisam por um tempo. É um exercício básico de reconhecimento não só do bicho, mas de si mesmo: as características deles que mais chamam a atenção de cada indivíduo são justamente aquelas que fazem parte da índole daquela pessoa. Para ter um melhor resultado, coaches recomendam a entrega total nesse contato com o cavalo. Dessa forma, será possível vivenciar algo único e de extremo conhecimento pessoal.


Segundo Andreia Prata, outra idealizadora do projeto, uma das atividades que mais emociona os alunos é quando se propõe que cada um escolha um cavalo com um comportamento que o represente atualmente. Logo em seguida, é lançado novo desafio: o de eleger outro animal, mas, dessa vez, um com características físicas e pessoais que a pessoa gostaria de ter no futuro. Após a escolha, os participantes são convidados a conduzirem os cavalos, que reagem às emoções pessoais atiçadas pela dinâmica. ;É um momento muito importante, pois a pessoa nota que o cavalo que ela deseja ser, normalmente, é mais difícil de ser conduzido;, afirma.

A paixão por cavalos, desde menina, incentivou a bancária Denita Gomes, 38, a experimentar essa modalidade de terapia: o autoconhecimento com o auxílio de equinos. Denita nunca se sentiu segura quando o assunto era se comunicar e viu na proposta a oportunidade de se conhecer melhor e explorar a assertividade. Tanto montado, ou não, no cavalo, foi possível constatar que o animal possibilita uma forma simples de comunicação. ;Ele é objetivo e permite a conexão com nossas atitudes.; O aprendizado, segundo ela, será inesquecível: ;Se é tão fácil interagir com os animais, não deve ser tão difícil a comunicação com os seres humanos, já que os dois têm tanto em comum. Ambos vivem em grupo e possuem um líder;, analisa.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação