Líderes adotam firme estratégia para Brexit

Líderes adotam firme estratégia para Brexit

postado em 30/04/2017 00:00
 (foto: Thierry Charlier/AFP
)
(foto: Thierry Charlier/AFP )


Os 27 líderes da União Europeia (UE) aprovaram, por unanimidade, diretrizes ;firmes; para as negociações que determinarão as condições de saída do Reino Unido do bloco (Brexit). Durante reunião que durou menos de 15 minutos, os chefes de governo dos países remanescentes da UE reiteraram o posicionamento de que o divórcio terá custos para os britânicos. Segundo o jornal The Guardian, a orientação adotada pelo grupo inclui a cobrança de que Londres cumpra as suas responsabilidades financeiras com o bloco e pague um valor estimado em 60 bilhões de euros, antes de considerar um novo acordo comercial.

As diretrizes para a negociação do Brexit foram propostas pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, em março. Além do pagamento bilionário ao bloco, o documento coloca, como questões prioritárias, o direito de cidadãos europeus que vivem em território britânico, assim como de britânicos que residam em países-membros do bloco, e a fronteira entre a Irlanda e a Irlanda do Norte. ;Precisamos de garantias;, afirmou Tusk, em Bruxelas.

Antes de entrar na reunião com os líderes da UE, Tusk salientou que a unidade é fator imperativo para os membros do bloco durante as tratativas com os britânicos. ;Só assim seremos capazes de concluir as negociações, o que significa que a nossa unidade é também do interesse do Reino Unido;, observou.

Alemanha

A etapa de negociações deve começar após a eleição geral convocada pela premiê britânica, Theresa May, para 8 de junho. A premiê chegou a acusar a UE de se ;reunir contra; seu país, depois de a chanceler alemã, Angela Merkel, advertir que Londres ;não gozará dos mesmos direitos; fora do bloco.

Em Bruxelas, Merkel observou que deseja que a Alemanha tenha boas relações com o Reino Unidos no futuro, mas que pretende representar os interesses do país como membro da UE. ;Vamos ter negociações sobre a separação, primeiro, e, então, o processo chegará a um ponto em que poderemos falar sobre o futuro;, afirmou.

Segundo Michel Barnier, chefe europeu para as negociações, a ;unidade não está dirigida contra o Reino Unido;. O presidente da França, François Hollande, porém, reiterou que a ruptura não ocorrerá sem custos para Londres. ;Não devemos ser punitivos, mas é claro que a Europa sabe defender seus interesses, e o Reino Unido terá uma posição pior fora da UE;, declarou.

Turquia demite
4 mil servidores
A Turquia demitiu, ontem, quase 4 mil funcionários, em novo expurgo depois do golpe de Estado frustrado de julho passado, e anunciou o fim dos programas de encontros na televisão, muito populares no país. Um total de 3.974 funcionários públicos foram demitidos, incluindo mil funcionários do Ministério da Justiça e mais de mil pessoas que trabalhavam para o exército, segundo um decreto de emergência, que detalha os nomes dos demitidos. A Turquia se encontra sob estado de emergência desde o fracasso de um golpe de Estado há nove meses, atribuído pelo regime aos simpatizantes de um pregador exilado nos Estados Unidos, Fethullah Gullen.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação