Guerra entre deuses

Guerra entre deuses

Adaptação do livro de Neil Gaiman, American gods utiliza a fantasia para debater a importância das crenças. Ao Correio, o ator Ricky Wittle fala sobre a produção que estreia amanhã no Brasil

Por Adriana Izel
postado em 30/04/2017 00:00
 (foto: Amazon Prime Vídeo/Divulgação
)
(foto: Amazon Prime Vídeo/Divulgação )

American gods é a principal obra do escritor britânico Neil Gaiman. O livro foi lançado em 2001 e, desde então, o autor buscava transformar a história em uma adaptação para as telas. Esse desejo finalmente será realizado a partir de amanhã, quando a série homônima estreia na Amazon Primeo Video, responsável pela exibição no Brasil do seriado produzido pelo canal Starz. ;Havia muita pressão no começo, porque é um livro muito famoso e Neil esperou muitos anos por isso. Mas acho que é uma tensão comum em tramas como Game of thrones, Harry Potter, Crepúsculo, Jogos vorazes e todos esses livros icônicos que se tornaram séries televisivas ou filmes, porque há sempre pessoas que acham que não foi adaptado como elas imaginaram. A pressão é do público, mas eu não sinto;, revela o ator Ricky Whittle, que interpreta o protagonista Shadow Moon, em entrevista ao Correio.

Assim como no livro, a série, que foi desenvolvida por Bryan Fuller (Pushing daisies e Hannibal) e Michael Green (Logan e Heroes), mostrará um embate entre deuses antigos e novos nos Estados Unidos. É a guerra entre criaturas mitológicas que foram cultuadas no território europeu e asiático, como Odin e Anúbis, contra as novas adorações do mundo, como a internet, as celebridades e a fama. Tudo isso por meio da história de Shadow Moon, um homem que deixa o presídio alguns dias antes de cumprir pena de três anos por conta da morte da mulher, Laura (Emily Browning), em um acidente de carro.

Durante a saga, ao retornar à cidade natal para o enterro da amada, Shadow conhece Wednesday (Ian McShane), um homem misterioso que lhe oferece um emprego de guarda-costas. Mas o que Shadow não sabe é que Wednesday é, na verdade, um deus antigo (mais especificamente, Odin incorporado) em busca de reunir os velhos deuses para uma batalha contra o poder dos novos deuses no território norte-americano. ;A relação entre Shadow Moon e Wednesday é muito real. Wednesday é um personagem muito manipulador, mas tem carisma e um certo charme que faz Shadow continuar ao lado dele, mesmo quando não acredita. Veremos uma ótima relação deles dois. Shadow quer saber como ele sabe seu nome, sua história, o que ele quer e por que está viajando o mundo atrás de pessoas fantásticas;, define Ricky.

A primeira temporada da produção terá oito episódios e, segundo o protagonista, é baseada em cerca de 100 páginas da obra e, apesar de ser muito fiel à versão literária, terá algumas mudanças para a adaptação televisiva. ;Bryan Fuller e Michael Green colocaram mais cores e carisma no Shadow Moon da série. Ele é mais falante do que no livro. Para a televisão é sempre preciso colocar mais, porque ninguém quer ver a mesma coisa toda semana;, explica.

Sobre os boatos de renovação para uma segunda temporada mesmo antes da estreia, Ricky Whittle revela que não há ainda uma confirmação oficial: ;Não posso comentar isso no momento, mas estamos ansiosos pela série. Usamos apenas 100 páginas na primeira temporada, então temos história para mais cinco ou seis anos. Espero que a gente receba essa confirmação logo;.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação