Eixo capital

Eixo capital

Ana maria campos/anacampos.df@dabr.com.br
postado em 04/05/2017 00:00
 (foto: Paulo de Araújo/CB/D.A Press - 24/7/10)
(foto: Paulo de Araújo/CB/D.A Press - 24/7/10)

Com que roupa ele vai?

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) se prepara para entrar em campanha no próximo ano sem os aliados que o acompanharam em eleições que o levaram a vitórias na disputa à Câmara dos Deputados, Senado e ao Palácio do Buriti. Em 2006, ele se elegeu deputado federal numa coligação com o PT e PCdoB, que tinha Agnelo como candidato ao Senado. Quatro anos depois, Rollemberg conquistou o mandato de senador na aliança que levou Agnelo e Tadeu Filippelli (PMDB) ao Palácio do Buriti. Em 2014, rompido com a dupla que estava no poder e disputava a reeleição, Rollemberg fez parceria com Cristovam Buarque e José Antônio Reguffe. Nenhum desses personagens deve subir no palanque para pedir a reeleição do governador. Uma aliança com o PT, que agora trabalha para se distanciar ainda mais da atual gestão, é improvável. Rollemberg também dificilmente vai trilhar um caminho com Agnelo, a quem acusa de deixar um rombo nas contas públicas, ou com Filippelli, agora citado na Operação Lava-Jato. Com Cristovam e Reguffe, ainda há chance, embora remota, de uma reaproximação. Mas hoje o cenário é outro. Embora tenha a força de estar no governo, Rollemberg, a um ano do início das eleições, precisa construir seu grupo político.




Chico Vigilante comemora liberdade de Dirceu

Apesar de tantas denúncias e condenações no mensalão e na Lava-Jato, o ex-ministro José Dirceu mantém grande prestígio do PT. Amigo do ex-poderoso integrante do governo Lula, o deputado distrital Chico Vigilante (PT) fez um desabafo nas redes sociais: ;A libertação de José Dirceu, preso sem provas pelo juiz Moro, é a desmoralização dessa perseguição desaforada contra o PT;, registrou.




Visita na prisão

Já Wilmar Lacerda, ex-secretário de Administração do governo Agnelo, no dia da decisão do STF, no presídio da região metropolitana de Curitiba, o Complexo Médico-Penal em Pinhais, para uma visita a José Dirceu. Chefe de gabinete da liderança do PT no Senado, Wilmar estava acompanhado do senador Paulo Rocha (PT-BA). ;Eu sempre visitei o Zé Dirceu na prisão. Gosto de conversar com ele e sempre saio com a impressão de ver um homem consciente de sua missão e resignado;, conta o petista, ex-presidente do PT-DF.




Ricardo Vale: ;Restabelecimento do Estado de direito;

Nas redes sociais, o deputado Ricardo Vale (PT) entrou na onda das comemorações petistas pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de libertar da prisão o líder petista José Dirceu, condenado a 36 anos de prisão por corrupção pelo juiz Sérgio Moro. ;A revogação da prisão de José Dirceu é um princípio do restabelecimento do Estado de Direito num país em que este, em tão pouco tempo, sofreu tantas fraturas, pelos mais diversos e reprováveis interesses econômicos;.



Eleição nacional definida

Na avaliação de Wilmar Lacerda, mesmo em liberdade, José Dirceu não vai interferir nas articulações que levam à vitória, daqui a um mês, da senadora Gleisi Hoffmann à Presidência nacional do PT. ;Ela tem a maioria dos votos e o apoio do (ex) presidente Lula;, afirma o chefe de gabinete da presidência do PT no Senado.




Diálogo para dentro e para fora

A deputada Érika Kokay (PT-DF) tem o apoio da corrente Articulação e de nomes de expressão do partido para se eleger presidente regional do PT no próximo domingo. Mas ainda tem alguns obstáculos. Alguns petistas preferem alguém mais aberto ao diálogo interno e externo, para construir uma aliança com outros partidos para as próximas eleições.



Um olhar sobre a regularização fundiária do DF

Quem quiser conhecer melhor o impacto da Medida Provisória 759/2016, aprovada ontem na Comissão Especial do Congresso sobre regularização fundiária pode se inscrever para participar em 12 de maio do debate sobre o tema no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Entre os palestrantes, estão confirmados no evento o consultor jurídico do Ministério das Cidades, Rodrigo Numeriano Dubourcq Dantas, o secretário de Gestão do Território e Habitação, Thiago de Andrade, o juiz Carlos Frederico Maroja de Medeiros e os promotores de Justiça Dênio Augusto Moura e Roberto Carlos Batista. Será uma importante demonstração do olhar do Executivo, do Ministério Público e da Justiça sobre os novos instrumentos de regularização de condomínios no DF.




Mais uma dor de cabeça para Agnelo

O Hospital da Criança José Alencar é mais um motivo de dor de cabeça judicial para o ex-governador Agnelo Queiroz (PT). Numa das ações de improbidade administrativa relacionadas à unidade de saúde, o Ministério Público do Distrito Federal pede a condenação de Agnelo e do ex-secretário de Fazenda Adonias dos Reis Santiago por deixarem de incluir as despesas com os servidores contratados para o hospital nos limites de pessoal da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O entendimento do governo anterior e do atual, nesse ponto, é uníssono. Gastos com servidores por meio de contratos de gestão não entrariam nesses limites. O processo tramita na 3; Vara de Fazenda Pública do DF.




Rafael Barbosa: "Faria tudo de novo"

O ex-secretário de Saúde Rafael Barbosa, que assinou o contrato de gestão do Hospital da Criança José Alencar, diz que não há dúvida de que uma mudança no modelo pode levar a unidade, hoje considerada de excelência, a enfrentar todos os problemas da rede pública. ;O Hospital da Criança é patrimônio da população do Distrito Federal;, acredita. Rafael Barbosa responde a duas ações de improbidade pelo trabalho na Secretaria de Saúde, mas diz que não se arrepende do que fez. ;Tudo tem um preço e o preço que pago é responder a duas ações de improbidade por ter assinado esses contratos com o hospital, mas, com minha consciência tranquila, faria tudo de novo;, afirmou.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação