Dormir sobre rodas

Dormir sobre rodas

De acordo com estudos, 30% dos acidentes fatais envolvem motoristas com sono. Saiba como evitar esse comportamento de risco

» Álef Calado*
postado em 04/05/2017 00:00
 (foto: Álef Calado/Esp.CB/D.A Press)
(foto: Álef Calado/Esp.CB/D.A Press)

Sabe aquela noite maldormida, quando você acorda ainda com sono e pega no volante? Insiste em dirigir e desperta com um susto porque cochilou? Esse comportamento é muito comum entre os motoristas. Dirigir com sono é tão perigoso quanto conduzir depois de ingerir bebidas alcoólicas ou usar o celular no volante. Segundo informações da Associação Brasileira do Sono (ABS), pelo menos 30% das mortes ocasionadas em rodovias brasileiras são causadas por motoristas que dormem ao volante.


;Assumir a direção de um automóvel depois de 19 horas acordado é o mesmo que dirigir bêbado, porque a sua concentração e reflexos já não são mais os mesmos;, explica Marco Túlio de Melo, especialista em medicina do sono pela ABS (Associação Brasileira do Sono). Para quem usa o carro a trabalho, os riscos são ainda maiores. ;As chances de um motorista que passa mais de 12 horas seguidas dirigindo se envolver em um acidente praticamente dobram;, adverte.


Foi o que quase ocorreu com o motorista profissional Leonardo Ribeiro, 40 anos, quando voltava de uma viagem a São Paulo. ;Na pressa de chegar, resolvi fazer o trajeto direto, sem parar para descansar. Quando o sono bateu, eu simplesmente apaguei. Quem me salvou foi um amigo que estava no banco do passageiro. Ele percebeu quando eu caí no sono e puxou o volante para a direita, evitando uma batida de frente com outro automóvel.;


Ele conta ainda que, além das assustadoras sonecas, a falta de descanso também já provocou alucinações. ;Outra ocasião que me assustou bastante foi em uma corrida com quatro passageiras para Anápolis (GO). O sono estava muito forte e eu tentava, a todo custo, não dormir. No meio do caminho, avistei um posto de gasolina e resolvi parar o carro para lavar o rosto. Quando desci, percebi que não tinha posto nenhum e que o automóvel estava parado no acostamento;. Para evitar outros acidentes, Leonardo evita trabalhar muitas horas seguidas. ;Aprendi que não podemos ultrapassar os limites do corpo. Então, sempre que bate o sono, paro para descansar;, assegura.

Susto

Por causa dos turnos dobrados de trabalho, o taxista Júlio César Ribeiro, 42 anos, também já caiu no sono algumas vezes. ;Deixei alguns passageiros e resolvi voltar para casa depois de quase dois dias rodando sem dormir direito. Enquanto passava pela BR 040, que liga Valparaíso a Brasília, simplesmente apaguei. Acordei no susto quando o carro caiu em um daqueles buracos que captam água da chuva;, conta. ;Em outra ocasião, eu já estava quase na rua de casa quando fiz um retorno e também apaguei. Acordei com um mototaxista me chamando;, completa.


O universitário Lucca Costa, 19 anos, nunca passou mais de um dia acordado, mas sentiu muito sono ao fazer um bate e volta em Goiânia (GO). ;Voltando de madrugada, tudo escuro, o sono começou a chegar. Parei para tomar uma água, abri as janelas e coloquei o som no volume máximo para ver se eu despertava. Funcionou por um tempo, mas dei uma piscada mais longa e percebi que tinha que descansar. Parei em um posto, tirei um cochilo de 30 minutos e segui viagem normalmente.;

Evite acidentes

Durma oito horas por noite.

Evite dirigir mais que
oito horas por dia.

Em longas viagens, faça pausas constantes e tire um tempo para descansar.

Evite viajar sozinho.

Reveze a condução do veículo com outro motorista

Pare sempre que sentir cansaço e durma se puder.

Não beba nem tome remédios controlados
que causem sono.

Se você estiver com sono e precisar ficar acordado, além do café, a água também pode ajudar.

Sonhe com os anjos

Os distúrbios do sono, como a apneia ; parada respiratória ao adormecer ; e o próprio ronco, são exemplos de doenças que influenciam diretamente no descanso do motorista e aumentam as chances de uma soneca ao volante. O especialista em medicina do sono Marco Túlio de Melo explica que as disfunções são multifatoriais. ;A apneia e o ronco, por exemplo, podem ser consequências da obesidade. Já a insônia pode ser ocasionada por ansiedade e alterações de humor;, explica.


Para ter uma boa noite de sono, Marco recomenda a prática regular de exercícios físicos e a criação de uma rotina para antes de deitar. ;Ter uma vida ativa já ajuda bastante. Na hora de dormir, o ideal é que a pessoa deixe equipamentos eletrônicos que emitem luz, como televisões, tablets e celulares, de lado. Acostumar o seu corpo a relaxar também ajuda bastante; você pode tomar um banho morno ou um copo de leite quente, por exemplo.;


Com relação ao tempo, o especialista recomenda que a pessoa durma até se sentir bem. ;Esse negócio de dormir pelo menos oito horas por noite é algo muito subjetivo, usado de maneira didática. Algumas pessoas precisam descansar por 5 ou 6 horas; outras, por 10 ou 12 horas. O importante é suprir o débito de sono e acordar disposto para encarar o dia;, conclui. (Colaborou Thamires Lima)

Sintomas
Para entender quais são os efeitos da privação de sono para o corpo, pesquisadores da Universidade de Bonn, na Alemanha, reuniram um grupo de voluntários dispostos a passar 24 horas sem pregar os olhos. O resultado do estudo mostrou que, mesmo em pessoas saudáveis, a falta de descanso adequado pode ocasionar deficit de atenção, perda de contato com a realidade, noção de tempo alterada e alucinações frequentes. Outros estudos mostraram ainda que a insônia aumenta os riscos de sofrer de insuficiência cardíaca ou ter um derrame.* Estagiário sob orientação de Taís Braga, editora de Veículos.

Para saber mais

Ligado na tomada
Com apenas 16 anos de idade, o inglês Randy Gardner entrou para o Guinness Book ao passar 11 dias e 24 minutos sem dormir. De acordo com a Marinha dos Estados Unidos, responsável por supervisionar o ;experimento;, durante o período, o garoto sofreu de alucinações, irritabilidade, dificuldade de concentração e apresentou comportamento paranoico. Para se recuperar completamente do feito, Randy precisou dormir por aproximadamente 24 horas.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação