Tantas palavras

Tantas palavras

Por José Carlos Vieira Esta seção circula de terça a sexta / cartas: SIG, Quadra 2, Lote 340 / CEP 70.610-901
postado em 01/06/2017 00:00

Completamente enganada

você me olha

como se eu fosse um coveiro

do século XIX

se eu pudesse provar

que sou um coveiro do século XIX

você acreditaria que sou um poeta


não passa pela sua cabeça

que ainda existem coveiros

e cemitérios

e que os mortos continuam mortos

e que os vivos estão quase lá


você não suportaria

saber que sou um coveiro

do século XXI

assim como se irritou

quando entendeu

que estava diante de um poeta


Fabrício Corsaletti, do livro É agora como nunca ; Antologia incompleta da poesia contemporânea brasileira (org. Adriana Calcanhotto)




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação