Brasília-DF

Brasília-DF

por Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 08/06/2017 00:00


Temer e os planos,
com ou sem tucanos


Confiante na absolvição no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o presidente Michel Temer centra hoje seus esforços na manutenção dos votos no Congresso Nacional. É ali que está a chave para escapar de qualquer denúncia que venha a ser oferecida pelo procurador-geral, Rodrigo Janot. Nesse sentido, Temer trabalha com duas hipóteses, obviamente mantido o cenário atual (sem levar em conta novas delações): uma com o PSDB e outra sem os tucanos. A avaliação do Planalto é a de que se o PSDB sair da base ; como o PMDB fez no governo Dilma ;, Temer não ficará com ;ministros sem-voto;. Dilma, quando o PMDB deixou seu governo, manteve os ministros peemedebistas, confiante de que eles tinham os votos, portanto, não precisaria reconfigurar a Esplanada para se manter no cargo. Desse erro, dizem os situacionistas de hoje, Temer não padecerá.

Em tempo: o presidente acredita ter hoje, pelo menos, 230 votos a seu favor, o que seria suficiente para permanecer. Se os tucanos saírem do governo, as contas palacianas indicam que Temer pode perfeitamente recompor os 47 com os pequenos partidos. Obviamente, a situação ficará bem melhor com o PSDB acomodado no governo. Afinal, dizem até alguns tucanos, se houver garantia de reformas e recuperação da economia, o partido terá discurso para os que desejam a permanência. Se Temer não garantir as reformas, aí sim, terá problemas.


Falta combinar com os italianos...

Lula conta com uma candidatura a presidente, sem levar em conta o que pode dizer Antonio Palocci. Da mesma forma, Michel Temer planeja permanecer sem levar em conta o que pode dizer o doleiro Lúcio Funaro. Ontem, Funaro dispensou seu advogado para trabalhar uma delação. É mais um imponderável na linha da vida do governo Temer.


...E com os Poderes


Há quem diga que, se Michel Temer vencer logo a batalha no TSE, ou seja, sem que haja pedidos de vistas que possam postergar o julgamento, terá que ter equilíbrio e não partir para cima de Edson Fachin ou mesmo Rodrigo Janot. Se for na batida de enfrentar Fachin e esfolar adversários do Ministério Público, o país descambará para a crise institucional.


Quem cala;

A coluna quis saber do líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, se ele tinha participado de um jantar em Brasília numa casa que era mantida pelos irmãos Joesley e Wesley Batista e, se nesse encontro estava o então candidato a ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin. A informação foi publicada dia desses no blog do jornalista Reinaldo Azevedo. Resposta de Renan: ;Não vou comentar;.


Estações misturadas

No Senado, a base aliada ao governo tenta separar as reformas da crise política e, assim, tentar garantir a continuidade das votações. Na Câmara, tratam de misturá-las para dizer que o único capaz de aprová-las é o presidente Michel Temer. Enquanto essa equação continuar assim, Temer vai ficando, até segunda ordem.


CURTIDAS


CB.Poder/ Em entrevista ontem ao programa CB.Poder, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) afirmou que, sem reformas, o governo Michel Temer ;perde a razão de ser;. Assista no Facebook do Correio Braziliense.


A aposta da oposição/ De olho nas votações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o senador Randolfe Rodrigues (foto) saiu-se com esta: ;Janot não nos faltará. Logo, logo, ele oferecerá denúncia contra Temer e vamos afastá-lo;, diz. Falta combinar com a maioria das duas Casas Legislativas.

Até aqui, tudo bem/
A antessala do ministro da secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, continua concorrida. Enquanto os deputados estiverem procurando o governo, é sinal de que o presidente Michel Temer respira.

Cofres vazios/
Alagoas, do governador Renan Filho, pede há tempos a instalação da Embrapa no estado. Valor: R$ 1 milhão. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse ao líder Renan Calheiros que não há recursos.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação