Olha pro céu, meu amor...

Olha pro céu, meu amor...

O circuito de apresentações de quadrilhas juninas está aberto, conheça um pouco sobre a história desses brincantes

Matheus Dantas*
postado em 08/06/2017 00:00

O são-joão em Brasília só acaba em agosto! Tem festa para todos os gostos e idades. Mas são as danças de quadrilhas que mais atraem o público e envolvem comunidades inteiras. As apresentações tiveram início em meados da década de 1970, com grupos organizados em paróquias e cidades do DF. No final da década de 1980, surgiu o concurso de quadrilhas da Praça dos Eucaliptos, em Ceilândia. Por muitos anos, esse e alguns outros concursos proporcionaram aos quadrilheiros expor seu trabalho.


Em 2000 um grupo decidiu se juntar e criar uma liga de quadrilhas para profissionalização do movimento. ;Essa organização buscava patrocínios e apoio do governo, e criou um circuito de quadrilhas para que os grupos pudessem se apresentar em diversas regiões;, explica Bruno Anderson, presidente da Liga Independente de Quadrilhas Juninas do Distrito Federal e Entorno, a Linq-Dfe, federação brasiliense ligada à Confederação Brasileira de Entidades Juninas, a Confebraq. ;Com o surgimento da liga, as quadrilhas começaram a se profissionalizar, cerca de 60 grupos se filiaram, e foi aí que o movimento junino tomou uma força maior;, afirma Anderson.


Após o surgimento da Linq-Dfe, o movimento junino cresceu e as quadrilhas passaram a ser mais vistas. Atualmente 24 grupos compõem a federação, separados em dois módulos: o especial e o de acesso (confira abaixo).


Luciano Lima, presidente e marcador da quadrilha Triscou Queimou, do Paranoá, comenta sobre a rotina dos grupos durante o ano: ;As quadrilhas não param, acaba nosso período de apresentações e já estamos trabalhando para o ano seguinte, em busca de um novo tema, coreografia, trilha sonora, figurino. Tem profissionais que dependem exclusivamente do movimento junino, trabalham o ano inteiro para colocar a quadrilha no arraiá;.

No Brasil
O Norte e o Nordeste são as regiões onde a cultura junina tem a maior visibilidade e investimento por parte dos órgãos públicos e privados. Vando Rodrigues, gestor estadual do coletivo nacional Movimento Junino do Brasil e presidente da Federação do Movimento Junino do Interior do Ceará (Mojuni), explica que grandes concursos regionais, inter-regionais e premiações, valorizam as quadrilhas. ;O Movimento Junino do Brasil está organizado em ligas e associações municipais; em nível estadual, com federações e associações; e a nível nacional por meio de confederações e coletivos. A agenda junina, além de ser a cultura popular mais praticada e desenvolvida, é uma das linguagens mais expressivas dos brasileiros;, completa.

Integrantes da Linq-Dfe
Módulo especial

Arraiá dos Matutos, Arroxa o Nó, Busca Fé, Caipiras de Fé, Coisas da Roça, Formiga da Roça, Num Só Piscar, Pula Fogueira, Rasga o Fole, Ribuliço, Sanfona Lascada, Si Bobiá a Gente Pimba, Triscou Queimou e Xamegar

Módulo de acesso
Aquarela Nordestina, Bambolea, Cafuné, Flor do Mamulengo, Icmm Dhime, Mala Veia, Maltrapilhos, Saca Rolha, Trupica Mais Não Cai e Xhen Nhem Nhem

Quesitos avaliados na disputa das quadrilhas
Coreografia/harmonia

Marcação (Atuação do marcador)
Animação dos dançarinos
Figurino
Casal de noivos

Você sabia?
Um olhar romântico

Os grupos juninos sempre foram um marco das festas, pois retratam o caipira, o trabalhador da roça elas contam uma história, explica Jaime de Almeida, doutor em história social e professor da UnB. ;O surgimento das quadrilhas ocorreu durante o período do romantismo europeu, que criou a moda de danças com origem nos campos, especialmente polonesas, sob influência de Chopin. Após um tempo, essas danças chegaram à corte imperial brasileira. As sucessivas gerações de brasileiros passaram a incorporar essa dança em festas, principalmente na parte rural, no interior, de onde as festas juninas ganharam força. A função das quadrilhas é de animar e contar uma história pela dança, caricaturando os jecas e caipiras;, comenta o estudioso.

Roteiro de festas juninas
(sexta-feira)
Arraiá da Acadimia

; Estádio Nacional Mané Garrincha (Eixo Monumental). Hoje, às 18h. Com Felipe Araújo, Igor Galdino, Rastapé, Willian & Marlon, DJ Raul Mendes, Trio Nordeste, barraquinhas de comidas de todo o Brasil e outros países, parque infantil e atrações diversas. Entrada: R$ 50, pista; R$ 100, camarote; crianças até 12 anos não pagam e profissionais de segurança pública acompanhados de
um pagante ganham cortesia. Valores sujeitos a alterações.
Classificação indicativa livre.

Arraiá do Pátio
; Shopping Pátio Brasil (SCS Q. 7, Bl. A; 2107-7400). Hoje, das 10h
às 20h. Parquinho junino para crianças, barraquinhas com comidas típicas, apresentação da quadrilha Formiga da Roça e do
Trio Oxente Cerrado. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Arraiá Legis
; Ascade (SCS; 3226-4506). Hoje, às 19h. Com uma boa dose de forró do bom, o Clube Ascade comemora sua própria festa junina com Adelmiro Coelho, Banda Lordão e Só Pra Xamegar.
Entrada: R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia-entrada).
Não recomendado para menores de 16 anos.

Arraiá Mariano
; Paróquia Nossa Senhora de Nazaré (SHIS QI 1, Lago Sul;
99136-1818). Hoje, às 19h. Com quadrilha e Santo Afonso, a festa ainda promete muita música com Vitor & Rian, Trio Bala
e Thiago Barros. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Arraiá da Paróquia Verbo Divino
; Paróquia Verbo Divino (609 Norte; 3349-5101). Hoje, às 19h.
Com a banda Forró de Três Marias, a festa terá muita comida típica
e diversão. Entrada por R$ 3 (fixo). Classificação indicativa livre.

Arraiá da Paz
; Paróquia São Judas Tadeu (908 Sul; 98557-8580). Hoje, às 20h.
A tradicional festa da cidade ; organizada pela comunidade Shalom ; retorna a todo vapor para mais uma edição de muita tradição, com o melhor das comidas típicas e atrações como
Raízes do Sertão, Trio Balançado e mais.
Entrada variam entre R$ 10 e 35. Classificação indicativa livre.

Festa Joanina
; Minas Tênis Clube (SCEN). Hoje, às 19h. Com o grupo Trio Parada Dura, o duo Danilo & Daniel e Henrique & Ruan, a festa promete muita música. Entrada variam de R$ 30 a 100 (referente a meia). Verifique classificação indicativa.

Festa Junina da Escola de Música de Brasília
; Escola de Música de Brasília (SGAS 602). Hoje, às 17h.
Com música ao vivo e várias a

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação