Um brasiliense em Portugal

Um brasiliense em Portugal

Vaná, o menino que aprendeu a jogar em um campo de terra de Planaltina, brilha no Velho ContinenteUm brasiliense em Portugal

PEDRO HENRIQUE GOMES*
postado em 25/06/2017 00:00

Primeiro, as vaias no Couto Pereira. Depois, o prêmio de goleiro revelação do Campeonato Português na temporada 2016/2017. Agora, possível reforço do Porto, segundo a imprensa portuguesa. Vaná, 26 anos, não teve vida fácil até chegar à boa fase atual. Nascido em Planaltina, deu os primeiros passos no futebol nos campos de terra ao lado do Adonir Guimarães, o estádio da cidade. Hoje, é ídolo entre os torcedores do Feirense. Afinal, ele e os companheiros deixaram o time a apenas dois pontos de conseguir uma vaga para a Liga Europa.

As estatísticas do goleiro o colocam como melhor guarda-redes ; como os patrícios chamam a posição ; do torneio português, segundo o site especializado WhoScored. Ele obteve nota 7,0 em 25 jogos disputados. Ficou à frente inclusive de Ederson, ex-arqueiro do Benfica e vendido ao Manchester City como segundo goleiro mais caro da história, ao custo de R$ 145 milhões, que teve nota 6,85 em 27 aparições.

O brasiliense tem agradado tanto que o jornal português A Bola informou que o nome de Vaná é estudado para substituir Iker Casillas no Porto. O contrato do espanhol com o clube luso termina este ano e o atleta ainda não acionou a cláusula que permite renovar o acordo por mais uma temporada. Vaná desconversa quando perguntado se fica ou sai do time da cidade de Santa Maria da Feira. ;Tenho mais um ano de contrato com o Feirense. Até que me digam outra coisa, continuo lá. Mas a gente sabe que é possível alguma coisa;, afirma.

Apenas 15 anos

Vanailson Luciano de Souza Alves, o Vaná, saiu de Planaltina com destino a Colombo, no Paraná, levado pelo empresário Paulo Bonilauri, em junho de 2006. O garoto tinha apenas 15 anos. O agente mantinha jovens atletas na residência treinando com um preparador físico, enquanto tentava encaixá-los na base de alguns clubes. ;Meu irmão Vinícius já estava lá. Mas eu só dormi uma noite nessa casa. Comecei no Atlético-PR no outro dia;, conta o goleiro.

Passou também por Irati, Londrina e Operário até as férias do início de 2009, quando desistiu de voltar para o Sul: o pai, Abadia, sofrera um infarto no Distrito Federal e ficou internado por 12 dias na UTI. ;Eu pensei que perderia meu pai, e ninguém está pronto para perder ninguém. Minha mãe ficou abalada;, lembra Vaná. E havia o problema do dinheiro. O pai, hoje com 63 anos, era projetista. ;O Vinícius disse: ;Quem vai cuidar das coisas?;. Entendi que ele queria ficar e que eu voltasse;, conta.

Trabalhando pela manhã e treinando à tarde, Vinícius ainda jogou por Brasiliense, Dom Pedro e Cruzeiro. Formou-se em arquitetura e, hoje, atua no escritório de arquitetura da família, com o irmão Vailson, o Tininho, ex-volante de Planaltina, Sobradinho e Santa Maria, que desistiu da bola para se graduar em engenharia.

Idas e vindas

Vaná voltou para o Paraná e ficou até 2010 no rubro-negro paranaense, quando acabou dispensado do clube. Por sorte, Marquinhos Santos, que o treinara no Atlético-PR, era treinador das categorias de base do Coritiba. Assim, as portas estavam abertas. No Coxa, ele ficou no sub-20 até 2011. Naquele ano, de forma curiosa, soube que tinha sido promovido ao elenco principal para a temporada 2012.

;Eu estava em casa de férias. Por curiosidade, entrei no site do Coritiba um dia e fui à página do elenco. Eu estava listado como quarto goleiro do time principal e não sabia. Liguei para o diretor. Ele confirmou que eu tinha subido e ainda me deu uma dura;, relembra Vaná. Novo, não teve oportunidades e seguiu emprestado ao Canoas, do Rio Grande do Sul. O time gaúcho estava na zona de rebaixamento, mas o treinador do Coritiba encarou isso como oportunidade para dar experiência ao seu goleiro.

Logo após o término do Campeonato Gaúcho de 2012, Vaná voltou ao Coritiba. Mais um mês no banco e acabou cedido à Chapecoense. Ficou pouco menos de três meses no time catarinense, quando o Coxa o chamou de volta para substituir um goleiro do elenco que se lesionou. Então, viveu altos e baixos. Chegou a ser chamado de ;Vaneuer; ; pela facilidade em sair jogando, assim como o titular da seleção alemã, Neuer ;, mas também saiu vaiado por causa da decisão do Paranaense de 2015.



Itália e Turquia
Iker Casillas ainda tem contrato com o Porto, mas há pelo menos dois times de olho no ex-goleiro do Real Madrid. Da Turquia, o Antalyaspor quer montar um time capaz de ganhar o campeonato daquele país e está em contato com os empresários do espanhol. Há também proposta do Napoli, da Itália. No início do mês, a imprensa europeia chegou a falar do interesse do Sevilla em Casillas.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação