Eu venci na vida!

Eu venci na vida!

De família humilde, a cearense Ana Suely foi empregada doméstica na adolescência e enfrentou muitas dificuldades. Morando em Brasília há 22 anos, é autora de quatro livros, biblioteconomista, arquivista, mestre em patrimônio cultural e futura doutora pela Universidade Fernando Pessoa, em Portugal, com consolidada carreira na área

» Ana Paula Lisboa
postado em 25/06/2017 00:00
 (foto: Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Lanna Silveira/Esp. CB/D.A Press)


Ana Suely Pinho Lopes, 58 anos, nasceu em Madalena (CE) e, na época, a cidade tinha apenas uma rua. A terceira de 12 irmãos e filha de um agricultor e de uma dona de casa, desenvolveu cedo a paixão por estudar, ler e escrever. Saiu do interior para trabalhar como empregada doméstica aos 14 anos. A rotina era difícil e marcada por humilhações, mas os sonhos a motivaram a não desistir e transformar utopias em realidade.

A cearense tem currículo marcado por três instituições de ensino superior públicas: cursou biblioteconomia e documentação na Universidade Federal do Ceará (UFC), arquivologia na Universidade de Brasília (UnB) ; instituição em que foi patrona de uma turma de graduação ; e mestrado em patrimônio cultural na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Fez ainda MBA em gestão de projetos na Universidade Católica de Brasília (UCB) e um intercâmbio em Salamanca, na Espanha. Agora está pronta para o doutorado e embarca em julho para estudar na Universidade Fernando Pessoa, em Portugal.

Trabalhou com tratamento e organização arquivísticos e bibliográficos. Hoje, aposentada, presta consultorias. Além disso, representa a classe profissional em eventos no Brasil e no exterior, colecionando passagens por países da Europa e da América do Sul. Ela é a coordenadora nacional do Encontro Latino-americano de Bibliotecas, Arquivos e Museus (Ebam).

O que dizer dos livros, a grande paixão de Ana Suely? Ela escreveu quatro: dois de poesias, um infantil e um de memórias. Os principais amores são da família: o marido, Elson Damasceno Lopes Filho, 57, agrônomo e bancário; as três filhas, Lívia, 31, bióloga; Paloma, 28, arquivista; e Amanda, 27, estudante de letras-português; e a neta, Mel, 4. Todos veem em Ana Suely um grande exemplo. ;Além do otimismo, a maior qualidade dela é a persistência;, descreve Elson. ;Minha mãe teve uma infância difícil, sempre foi batalhadora e gostou de estudar. É uma mulher que inspira;, completa a primogênita.

Paloma, que seguiu os passos profissionais da mãe, também é só elogios para Ana Suely. ;Ela é muito guerreira, agradecida pelo que tem, encara os problemas com leveza. Não se prende a tramas.; Entre os irmãos, a perseverança da cearense também é unanimidade. ;A Ana é uma pessoa espetacular, batalhadora;, observa a pedagoga Idelzuite Pinho, 59, irmã mais velha. Solange Vieira Pinho, 51, historiadora, bancária e irmã mais nova, concorda. ;Ela sempre foi uma pessoa muito guerreira e generosa.;



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação