A beleza de uma causa

A beleza de uma causa

É cada vez mais comum as empresas de cosméticos se engajarem na defesa do fim dos testes em animais antes de vender um produto. Elas apostam em medidas menos agressivas para atestarem a eficiência do seu portfólio

Por Ailim Cabral
postado em 25/06/2017 00:00

O consumidor tem se tornado cada vez mais consciente. O meio ambiente, o descarte responsável e a forma como os itens são produzidos são preocupações constantes. Um dos aspectos que têm causado muito engajamento no mercado de beleza é o conceito cruelty-free, que define as marcas veganas e as que não fazem testes em animais.

A criadora da marca de cosméticos Simple Organic, Patrícia Lima, explica a diferença entre os conceitos: ;O produto vegano, além de não realizar testes em animais, não leva em sua formulação nenhum ingrediente de origem animal. Os que não realizam testes podem ter esses ingredientes, como a cera de abelha em um batom, por exemplo;.

Assim como a Simple Organic, outras marcas se engajam nessa luta. A The Body Shop é vegetariana e conhecida como a primeira empresa internacional a eliminar os testes em animais e iniciou, no mês passado, uma campanha para estimular outras a fazerem o mesmo. O objetivo é reunir 8 milhões de assinaturas e enviar a petição para a Organização das Nações Unidas, pedindo por uma convenção internacional que ponha fim, em todo o mundo, aos testes de produtos e ingredientes cosméticos em animais.

Jason Matthews, diretor científico e de regulação internacional e porta-voz da The Body Shop, explica que os testes costumam ser usados para avaliar a sensibilidade e a toxicidade do produto. Os animais têm os cosméticos aplicados na pele, gotejados nos olhos. Além disso, chegam a receber injeções e a ser alimentados ou obrigados a inalar as substâncias. A polêmica é que podem serem feridos durante o processo ou apresentarem reações adversas, como letargia, problemas respiratórios, inflamação em órgãos, convulsões e até mesmo morte.

Matthews afirma que essa crueldade é desnecessária, uma vez que hoje existem diversas alternativas de avaliação de um produto. O tecido humano e animal pode ser criado em laboratório e usado nessas análises. Células humanas doadas também podem ser uma alternativa, assim como os softwares de computador capazes de replicar aspectos do corpo humano, usados para atestar a segurança dos produtos.

No Brasil, a Natura comemora 10 anos livre de testes em animais. A marca tem parceria com 20 universidades e institutos de pesquisa e desenvolveu 67 métodos alternativos de análise. ;Para garantir a segurança e a eficácia dos produtos, utilizamos as mais avançadas técnicas mundiais de avaliação; que incluem modelos computacionais; testes in vitro validados pela comunidade científica internacional; testes em pele e córnea sintéticas, além de pesquisa contínua dos dados publicados em literatura científica;, explica a Vanessa Rocha, cientista sênior da Natura e especialista em testes alternativos.

Esfoliante corporal framboesa, da The Body Shop (R$ 74)

Batom Stick Loucura, da Phebo (R$ 50)

Creme nutritivo de Glicerina Tradicional, da Granado (R$ 45,50)

* Os produtos Phebo e Granado não têm ingredientes de origem animal em suas formulações.

Base anti-idade Sisle;a Le Teint, da Sisley Paris (R$ 940)

Phyto Lip Twist, da Sisley Paris (R$ 250)

* Os produtos Sisley Paris são cruelty free, sem origem animal em suas fórmulas

Combat BB Cream, Linha Men, de O Boticário (R$ 55,90)

Energético facial, Linha Men, de O Boticário (R$ 59,90)

Filtro solar tonalizante FPS 40 Fluid, da Adcos (R$ 107)

Pó compacto com filtro solar FPS 50, da Adcos (R$ 162)

Vigorfruit (R$ 127,40)

Relaxfruit (R$ 128,79)

Hidrofruit (R$ 125,98)

Máscaras Frutoterápicas, da Bel Col

Óleo para as mãos Hand Massage Oil, da LCN (R$ 104)

Caneta hidratante de cutícula Care Pen Tea Tree, da LCN (R$ 55

* A marca é vegana

Creme intensivo de hidratação para mãos, da Kiko Milano (R$ 49,90)

Sal esfoliante 7 Ervas Protetoras Simpática, da Feito Brasil (R$ 79)

Blemish Blur Bálsamo para imperfeições, da Feito Brasil (R$ 86)

Espuma demaquilante de limpeza profunda, da Feito Brasil (R$ 129)

* A Feito Brasil é vegana

Máscara de Tratamento Meu Pudinzinho de Coco, da Salon Line (R$ 17,90)

* A marca é vegana

Delineador, da Simple Organic (R$ 60)

BBCream, da Simple Organic (R$ 129)

* Os cosméticos da marca são orgânicos, naturais e veganos

Body Butter framboesa, da The Body Shop (R$ 65)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação