Todas as atenções para Sergio Zveiter

Todas as atenções para Sergio Zveiter

Relator da denúncia contra Temer, deputado carioca tenta lidar com o protagonismo momentâneo. O parecer dele será entregue na segunda-feira

» LUANA MELODY BRASIL ESPECIAL PARA O CORREIO » NATÁLIA LAMBERT
postado em 06/07/2017 00:00
 (foto: Lula Marques/AGPT)
(foto: Lula Marques/AGPT)


A vida do deputado carioca de segundo mandato Sergio Zveiter mudou da noite para o dia. Desde que o presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), anunciou, às 18h de terça-feira, que o colega de partido seria o responsável por pedir o andamento ou o arquivamento da denúncia de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer, o telefone não parou de tocar. As mensagens pipocaram. Até um assessor de imprensa foi contratado para ajudar o parlamentar a organizar as demandas.

O primeiro dia como relator da denúncia começou cedo. Zveiter chegou por volta das 9h à Câmara, passou rapidamente pelo gabinete no 4; andar do anexo IV da Casa e foi para a CCJ. Numa sala mais distante, ocorria a reunião de líderes que tratava do rito da denúncia. Ele preferiu não participar para não interferir na decisão. Na maior parte do dia, ficou por ali mesmo, no colegiado, conversando com colegas.

Depois que o advogado de Michel Temer Antônio Carlos Mariz entregou a defesa na comissão, por volta das 16h, Zveiter se reuniu com Pacheco para definir um prazo de entrega do parecer. A data ficou acertada para segunda-feira. O relator, porém, deixou bem claro que pode precisar de mais tempo e que isso só será definido depois que analisar a defesa.

Nos corredores da Câmara, colegas o cumprimentavam e o parabenizavam pelo papel momentâneo de protagonismo, no qual parece estar bem à vontade. De muitos ouviu conselhos sobre a responsabilidade que tem em mãos e até toques paternais como ;juízo, hein; ou ;vê lá o que vai fazer, viu?;. Até por causa do assédio, Zveiter não decidiu se vai trabalhar no relatório em Brasília ou no Rio de Janeiro. Paz, ele sabe que não terá em nenhum dos dois lugares. Entre as dezenas de mensagens e ligações recebidas ao longo do dia, garante que nenhuma foi do presidente da República ou de algum de seus ministros mais próximos. O deputado repete em entrevistas que não se sente intimidado por nenhum dos lados, nem pelo Planalto nem pela PGR.

Apesar de interlocutores do Planalto não terem recebido de forma muito amistosa a notícia da escolha de Zveiter, o líder da maioria na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) avalia o colega como ;equilibrado e sensato;. Ribeiro disse que não há motivo para achar que ele será suscetível aos conflitos políticos e jurídicos que dão o tom da relação entre o Executivo e o Ministério Público. Além disso, paira sobre os governistas a desconfiança da amizade entre Zveiter e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). ;O momento exige alguém com a cabeça no lugar, e ele é essa pessoa. Não vejo isso de que vai beneficiar quem quer que seja;, frisou Ribeiro.


Negada liberdade de Palocci e Vaccari
O desembargador federal João Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4; Região (TRF-4), negou pedidos de liberdade do ex-ministro Antonio Palocci e do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. Apesar da negativa de liminares, as solicitações serão analisadas na 8; Turma do TRF-4, que julga os processos da Lava-Jato na segunda instância. A defesa de Palocci ; preso desde setembro de 2016 ; afirmava que não há motivo para mantê-lo em prisão preventiva e que os fundamentos expostos pelo juiz Sérgio Moro na sentença apenas repetem o que foi anotado no decreto de prisão original. A sustentação é de que a prisão preventiva foi decretada como antecipação da pena e que a culpa ainda não foi comprovada. Já João Vaccari ; preso desde abril de 2015 ; entrou com habeas corpus após ter sido foi absolvido na semana passada, pelo próprio TRF-4, da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro num processo sobre irregularidades investigadas na Lava-Jato. Ele continuou preso porque ainda tem um outro mandado de prisão na Lava-Jato.


Mudança na escolha de ministros do STF

A CCJ do Senado aprovou ontem uma proposta que modifica o processo de escolha e o mandato dos ministros do STF. A PEC ainda tem de passar por dois turnos de votação no plenário da Casa antes de seguir para a Câmara, porém não há prazo para que isso ocorra. Pelo texto, de autoria do senador Lasier Martins (PSD-RS), os ministros ocupariam o cargo por até 10 anos, sem possibilidade de recondução. Atualmente, eles têm cargo vitalício. A proposta também sugere que uma comissão formada por oito juristas indique, após 30 dias de vacância de um dos membros do STF, uma lista tríplice ao presidente da República, que continua com a prerrogativa da nomeação. ;Penso que dessa forma a sociedade será bem atendida em relação a essa demanda, que trata da despolitização na composição da Suprema Corte;, avaliou a relatora da PEC, Ana Amélia (PP-RS).







Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação