E o feitiço virou contra o feiticeiro

E o feitiço virou contra o feiticeiro

Acostumado a fazer gols nos últimos minutos nesta edição do torneio, Palmeiras perde para o Barcelona aos 46 do segundo tempo, em Guayaquil, e se complica para o duelo de volta, em 9 de agosto

postado em 06/07/2017 00:00
 (foto: Rodrigo Buendia/AFP
)
(foto: Rodrigo Buendia/AFP )




Após ficar marcado na Copa Libertadores pelos gols marcados nos instantes finais, o Palmeiras provou ontem do veneno da pior forma. No jogo de ida das oitavas de final, fora de casa, e com o empate na mão, o time levou um gol do Barcelona, do Equador, aos 46 minutos do segundo tempo. Com a derrota por 1 x 0, começou atrás no confronto.

A cartilha de empatar fora de casa para decidir como mandante na volta norteou a proposta do Palmeiras, em Guayaquil. Embora pudesse ter atacado mais, o time optou por neutralizar o adversário e segurar o placar em 0 x 0. A tarefa estava cumprida até um chute de Álvez passar pelo meio da defesa, desviar no meio do caminho e entrar no canto. O jogo de volta será dia 9 de agosto, no Allianz Parque.

A grande expectativa do Palmeiras por finalmente retomar a disputa da Libertadores após seis semanas terminou em um jogo pouco atrativo. A partida monótona sem dúvida ficou muito mais ao gosto do time paulista, punido no fim por não ter sido mais ousado e tentado ameaçar mais.

Durante os 90 minutos do tempo regulamentar, o Palmeiras se mostrou satisfeito e acomodado com o andamento da partida. O empate sem gols virou uma zona de conforto sem a necessidade de se arriscar mais. Só depois do gol equatoriano a equipe quis acordar. Mas já era tarde demais para reação.

;A gente vai levar de lição o gol que tomou no final para cometermos o mínimo de erros possíveis em São Paulo;, comentou o volante Tchê Tchê após a partida. O técnico Cuca lamentou que o time tivesse ficado tão recuado diante da pressão do adversário até sofrer o gol. ;Esse foi o nosso erro;, criticou.

Drama
O Palmeiras não contou ontem com Guerra. O jogador, que já estava em Guayaquil, foi liberado pelo time porque o filho mais novo dele, Assael Guerra, se afogou na piscina de casa durante uma festa. O menino, de 3 anos, está internado no Hospital Albert Einstein, que não informou o estado de saúde da criança.

O elenco viajou na segunda-feira em voo fretado e tem retorno previsto apenas para hoje. O venezuelano treinou nos últimos dias e era cotado para começar como titular de Cuca ontem.

O treinador falou sobre o desespero de Guerra na concentração. ;Ele corria de um lado para o outro no corredor, sem saber o que estava acontecendo. Lógico que é um baque, um choque;.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação