Eixo capital

Eixo capital

Ana maria campos/anacampos.df@dabr.com.br
postado em 06/07/2017 00:00
 (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press - 10/8/16)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press - 10/8/16)

Discurso anti-Temer e anti-Rollemberg

Erico Grassi Cadermatori, diretor adjunto do Zoológico exonerado ontem por ter iniciado uma entrevista ao vivo a uma emissora de TV com um ;Primeiramente, fora, Temer;, é irmão de Rodrigo Pilha, famoso militante petista que bombardeia inimigos nas redes sociais. Ex-assessor da deputada Érika Kokay (PT), Pilha já vaiou o ministro aposentado Joaquim Barbosa, relator do mensalão, foi preso por policiais legislativos do Senado por bater boca com o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB/DF) e xingou o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), só citando alguns exemplos. Erico Grassi deixou o governo fazendo críticas a Rollemberg também pelas redes sociais. Disse que foi exonerado porque a administração do socialista espera a liberação de recursos por parte do governo federal. Na última eleição, ele fez campanha para Rollemberg. Filiado ao PSB, concorreu a um mandato de deputado distrital e teve 1,7 mil votos. Agora diz que estava insatisfeito por participar da atual gestão. ;Já vi muita gente no governo dele fazendo coisa pior e ele não exonerar;, atacou. Só esqueceu de dizer que Rollemberg votou, na executiva nacional, a favor da manifestação do partido pela renúncia e pelo impeachment de Temer.


Família, família

Erico Grassi tem outro parente no governo Rollemberg: o secretário adjunto de Turismo, Jaime Recena, presidente regional do PSB. Recena, no entanto, é um dos mais leais aliados do governador.




Delmasso quer revogar toda a legislação anti-homofobia

Além do decreto legislativo que suspendeu os efeitos da regulamentação da lei anti-homofobia, o deputado Delmasso (Podemos) quer derrubar toda a legislação, aprovada em 2000 pela Câmara Legislativa. Ele apresentou um projeto de lei propondo a revogação da Lei 2.615/2000, de autoria dos então distritais Maninha e Rodrigo Rollemberg. A lei prevê punições administrativas para episódios de discriminação por causa da opção sexual.




Forte nas redes sociais, Lúcio Valente assume comunicação da Polícia Civil

O delegado Lúcio Valente assume, a partir de hoje, a Divisão de Comunicação da Polícia Civil do DF. Há 11 anos na carreira, ele atuava até ontem na Corregedoria, como diretor da Divisão de Sindicâncias. Antes disso, esteve em delegacias de Taguatinga, Guará e Brasília, na Divisão de Homicídios e na de Defraudações. Valente é forte nas redes sociais. O perfil que ele comanda no Instagram ;Vou ser delegado; tem quase 90 mil seguidores, com abordagens sobre direito penal, dicas para concursos e o dia a dia na Polícia Civil. ;Acredito muito na comunicação pelas redes sociais e na transparência da informação;, disse. Ele vai suceder, depois de quase dois meses, o delegado Miguel Lucena, que deixou o cargo depois de externar, na rede de WhatsAspp de jornalistas que cobrem segurança pública, uma posição considerada polêmica sobre abusos de crianças cometidos dentro de casa por familiares. Lucena também é assíduo nas redes sociais. Ontem mesmo ele postou no Instagram: ;O governador me cortou uma gratificação de 3.500 por causa do rodízio de padrastos. É bem capaz de faltar gabiroba lá em casa;.



Mais uma Adin

O PSB é o terceiro partido a entrar com uma ação direta de inconstitucionalidade contra o decreto que sustou os efeitos da regulamentação da lei anti-homofobia. PT e PSol ajuizaram ações e, agora, o partido do governador apresentou questionamentos à Justiça. O GDF, por meio da Procuradoria-Geral do DF, também entrará com ação semelhante. O julgamento no Conselho Especial, entretanto, deve ser um só.



À QUEIMA-ROUPA


Deputado Rogério Rosso
PSD/DF), integrante da CCJ da Câmara dos Deputados


;Precisamos ter a mais absoluta responsabilidade ao analisar essa situação. Quero particularmente ler a defesa do presidente Temer e avaliar com serenidade o relatório do deputado Zveiter para emitir um juízo;


O relator na CCJ da Câmara do recebimento da denúncia contra Michel Temer, deputado Sérgio Sveiter, é um criminalista. Isso ajuda ou atrapalha o presidente?
O deputado Zveiter foi eleito pelo PSD e tive a oportunidade de conviver com ele como seu líder na Câmara. Zveiter é um grande advogado, equilibrado e sensato. Acredito que ele se concentrará nas questões técnicas e jurídicas fundamentalmente.

E o fato de ser aliado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o nome que assumiria a Presidência da República no caso de afastamento de Temer?
Não vejo nenhum problema nisso. Maia tem sido correto, pois está cumprindo à risca o regimento e a Constituição. Zveiter fará o mesmo, na minha avaliação.

Pelo que você viu até agora, há indícios contra Temer que autorizem o recebimento da denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção passiva com base na delação de Joesley Batista?
Esse é o primeiro caso na história de uma denúncia contra o presidente da República no exercício do mandato. Precisamos ter a mais absoluta responsabilidade ao analisar essa situação. Quero particularmente ler a defesa do presidente Temer e avaliar com serenidade o relatório do deputado Zveiter para emitir um juízo.

O que os deputados vão levar em conta na hora de julgar?
Acredito que o resultado da votação na CCJ será a principal referência, não desconsiderando, é claro, outros aspectos politicos.

A proximidade da eleição, que será no próximo ano, vai impactar a posição dos deputados, que terão de prestar contas aos seus eleitores?
Não tenho nenhuma dúvida disso.

Essa é apenas a primeira de uma série de denúncias contra Temer das investigações de Rodrigo Janot, que declarou, no fim de semana, que ;enquanto houver bambu, vai flecha;. Como fica o país nesse cenário?
O momento político que o país vive exige ainda mais o estrito cumprimento da Constituição. Temos que respeitar as instituições e valorizar a independência e harmonia entre os Poderes. O Ministério Público está fazendo o seu trabalho e não me cabe julgar suas ações, mas respeitá-las como cidadão. Todos sabem das suas atribui

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação