"Sentença sem provas"

"Sentença sem provas"

postado em 14/07/2017 00:00
 (foto: Patricia de Melo Moreira/AFP - 30/5/17)
(foto: Patricia de Melo Moreira/AFP - 30/5/17)


Menos de 24 horas depois que a condenação a nove anos e seis meses de prisão veio a público, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva convocou uma coletiva de imprensa na qual não houve espaço para questionamentos. Em um pronunciamento emocionado, na sede do PT, em São Paulo, brincou na tentativa de passar tranquilidade ao dizer que não se manifestou na quarta-feira, dia da sentença, porque queria assistir ao jogo do Corinthians. ;Primeiro vamos ver o Corinthians resolver o problema com o Palmeiras;, disse para aliados e aproximadamente 300 militantes que o acompanharam.

Após o início descontraído, Lula aumentou o tom contra o juiz Sérgio Moro, que decretou a condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá. Para ele, uma sentença ;sem provas;, previsível e com ;componente político muito forte;. Segundo Lula, os acusadores criaram uma narrativa amplificada pela imprensa e não poderiam voltar atrás. ;Estão condenados a me condenar e, se não me prenderem, serão eles os desmoralizados perante a opinião pública;, disse ele ao ler trecho de um artigo publicado por ele em outubro do ano passado.

Lula disse ainda que imaginava como o processo ia terminar. ;Prestei vários depoimentos e era visível que o que menos importava era o que você falava. Eles já estavam com a concepção da condenação pronta.; Segundo ele, o juiz usou a teoria do ;domínio do fato; travestida da palavra ;contexto; para condená-lo. ;A única prova que tem neste processo é a prova da minha inocência;, disse. ;Moro tem que prestar conta para a história;, disse. Logo após o pronunciamento, o ex-presidente se reuniu com deputados e senadores do partido durante toda a tarde para traçar estratégias a partir de agora.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação