Temor agora são os "fatos novos"

Temor agora são os "fatos novos"

Governistas aprovam relatório alternativo, pró-Temer, mas votação em plenário fica para 2 de agosto. Até lá, eles torcem para que não surjam mais denúncias

PAULO DE TARSO LYRA BERNARDO BITTAR Especial para o Correio ROSANA HESSEL
postado em 14/07/2017 00:00
 (foto: Ed Alves/CB/D.A Press
)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )


A votação que poderá autorizar o Supremo Tribunal Federal (STF) a abrir um processo de investigação contra o presidente Michel Temer ficou para 2 de agosto. Derrotados na tentativa de resolver a questão antes do recesso parlamentar, o Planalto e a base aliada remodelaram o discurso. Agora, afirmam que caberá à oposição colocar em plenário os 342 votos necessários para abrir a sessão de votação. Esse é também o número mínimo necessário para derrotar na Casa o parecer pró-Temer aprovado ontem na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Ao governo bastam 172 favoráveis ao relatório para enterrar a investigação. Em paralelo, o governo reza para escapar de delações do doleiro Lúcio Funaro e do deputado cassado Eduardo Cunha, para que parlamentares não sofram pressões das bases e para que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não apresente novas denúncias.

A data para que o parecer aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) seja analisado pelo plenário foi definida ontem, durante reunião do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com os líderes de todos os partidos. ;Foi uma data de consenso, defendida por parlamentares do governo e da oposição. Vamos abrir a sessão às 9h e esperamos concluir tudo no mesmo dia;, afirmou.

Até o último instante, deputados governistas ainda mantinham esperança de analisar a matéria, no mais tardar, na segunda-feira. ;Vamos conseguir votar no início da semana que vem, vocês vão ver;, tentava demonstrar confiança o líder do PTB na Câmara, Jovair Arantes (GO). O parlamentar lidera uma das cinco legendas que fecharam questão a favor do presidente Temer.

Desafeto de Maia desde a disputa pela presidência da Câmara, no início do ano, Jovair gaba-se, entre seus pares, de que, no momento em que o Planalto precisou do PTB, a legenda não traiu o governo, numa insinuação de que o presidente da Casa estaria conspirando para derrubar Temer e assumir o governo interinamente.

Arranjos
A estratégia do governo de derrubar o processo contra Temer antes do recesso parlamentar começou a ruir na noite de quarta-feira, quando o presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), marcou para o dia seguinte a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Na prática, isso liberava deputados e senadores para as férias de meio de ano após a sessão conjunta do Congresso.

O Correio apurou que setores do PMDB começaram a perceber a possibilidade concreta de que Temer fosse afastado pelo STF, após autorização da Câmara, e tentam marcar posição num futuro governo de transição. Na semana passada, com o crescimento das especulações em torno de um mandato de Rodrigo Maia, o cenário desenhado era de que o vice teria de ser um nome da oposição ; foi ventilado Aldo Rebelo (PCdoB) ;, e a presidência da Casa, destinada a um parlamentar do Centrão, que apoia Temer, para garantir a governabilidade.

O PMDB bateu o pé. Parte da legenda começou a defender que o vice numa eventual chapa de Maia viesse dos quadros do partido. Essa tese foi defendida com mais veemência no Senado. Na Câmara, a queixa era de que a presidência da Casa, no caso de Maia mudar-se para o Planalto, teria de ser ocupada por um peemedebista. O gesto de Eunício foi interpretado como um sinal de que nada acontecerá sem o aval do PMDB.

Alheio às dificuldades, que tendem a aumentar, o Planalto tentou manter um discurso otimista. ;O problema de quórum não é nosso. Quem tem de colocar quórum é quem quer receber a denúncia, não nós;, declarou o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Depois da sessão da CCJ (leia reportagem abaixo), o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, avisou que Temer ;recebeu essa notícia com a tranquilidade de quem confia nas instituições brasileiras;. E agradeceu aos parlamentares da base que, segundo ele, ;com coragem cívica, deram seu voto em defesa da Constituição e da democracia;, concluiu o presidente.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação