Repercussão

Repercussão

postado em 14/07/2017 00:00
Berit Reiss-Andersen, presidente do Comitê Nobel Norueguês
Em extenso comunicado à imprensa, disse ter recebido a notícia sobre a morte de Liu Xiaobo com pesar e grande tristeza. Assegurou que o governo chinês ;carrega pesada responsabilidade; pelo falecimento prematuro do dissidente. ;Nós estamos confiantes que seus esforços não foram em vão. Liu Xiaobo foi um representante de ideias que ressoavam entre milhões de pessoas de todo o mundo, mesmo na China. Essas ideias não podem ser aprisionadas e nunca morrerão;, escreveu.

Ken Roth, diretor executivo da Human Rights Watch (HRW)
;Liu Xiaobo era um homem de extraordinária coragem, integridade e princípios. Ele acreditava tão profundamente em sua visão de uma China livre e democrática que estava disposto a sacrificar sua própria liberdade e, finalmente, a vida.;

Zeid Ra;ad Al Hussein, alto comissário para os Direitos Humanos da ONU
Por meio de comunicado, afirmou que Liu Xiaobo devotou à defesa e à promoção dos direitos humanos e exortou Pequim a garantir liberdade de movimento a Liu Xia, mulher de Xiaobo. ;Ele foi a verdadeira encarnação dos ideais democráticos e não violentos que ardentemente preconizava. (;) Foi a definição de coragem cívica e de dignidade humana ; um poeta e um intelectual que queria e buscava um futuro melhor para o seu país.; Para Al Hussein, Xiaobo foi e continuará a ser uma ;inspiração; e um ;exemplo; para todos os defensores dos direitos humanos.

Rex Tillerson, secretário de Estado norte-americano
Prestou uma homenagem ao dissidente chinês e considerou que o Nobel da Paz ;dedicou sua vida a melhorar a humanidade;. Pediu que a China liberte Liu Xia da prisão domiciliar vigiada e que a permita abandonar o país.

Angela Merkel, chanceler da Alemanha
;Eu lamento a morte de Liu Xiaobo, um valente combatente em favor dos direitos humanos e da liberdade de expressão. Minhas mais profundas condolências à família;, afirmou a chefe de governo alemã, em breve comunicado.

Edward Snowden, analista de sistemas e ex-espião norte-americano
Em seu perfil no Twitter, afirmou que Liu ;morreu sob guarda em um mundo onde os Estados ainda apagam nossas luzes mais brilhantes;. ;A lei não é justiça;, escreveu.

Tsai Ing-wen, presidente de Taiwan
A líder de Taiwan, considerada uma província rebelde pela China, prestou o ;mais alto respeito à incansável defesa; de Liu Xiaobo pelos direitos humanos. ;Nós esperamos que as autoridades chinesas possam mostrar confiança no engajamento da reforma política, para que o povo chinês possa gozar dos direitos de liberdade e de democracia, dados por Deus;, escreveu. Ela lembrou que Liu Xiaobo não tinha inimigos, ;porque a democracia não tem inimigos;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação