Oposição promete parar a Venezuela

Oposição promete parar a Venezuela

postado em 24/07/2017 00:00
 (foto: Luis Robayo / AFP)
(foto: Luis Robayo / AFP)

As centrais sindicais da Venezuela anunciaram ontem a decisão de aderir à greve geral de 48 horas convocada para esta quarta-feira pela coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD). A paralisação, que se segue a outra de 24 horas realizada na última quinta-feira, é parte da campanha de desobediência civil organizada para inviabilizar a eleição de uma Assembleia Constituinte, convocada para o próximo domingo pelo governo chavista do presidente Nicolás Maduro.


;Estamos em um momento-chave para o nosso país;, djsse à imprensa venezuelana o sindicalista Neomar Castillo, líder nacional da União da Construção. ;É hora de levantar os trabalhadores, firmes e unidos. A sociedade civil deve operar em conjunto e unir-se em massa à greve geral convocada pela MUD;, prosseguiu o dirigente sindical. ;Vamos esvaziar o país para que (o governo) compreenda que a mudança que queremos na Venezuela não está acontecendo.;


A greve foi anunciada no sábado, após violentos distúrbios durante uma marcha em apoio aos magistrados nomeados para o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) pela Assembleia Nacional, controlada pela oposição, à revelia do Executivo e da cúpula do Judiciário. Ángel Zerpa Aponte, um dos escolhidos, foi preso durante os confrontos, denunciou o Legislativo.


;Estamos convocando todo o povo, todos os setores ; trabalhadores, estudantes, empresários, comerciantes, camponeses, produtores ; a 48 horas de paralisação cívica, na quarta e quinta-feira;, declarou à imprensa o deputado Simón Calzadilla, falando em nome da maioria opositora.

Violinista

Durante os protestos de sábado, ficou ferido no rosto o violinista Wuilly Arteaga, 23 anos, que se tornou personagem icônico dos protestos contra Maduro, sempre tocando seu instrumento. Arteaga foi atingido quando as forças de segurança reprimiram a marcha da oposição em apoio aos magistrados, usando gás lacrimogêneo e cassetetes para impedir que os manifestantes seguissem em direção à sede do TSJ.


;Não vão me amedrontar. Vamos continuar na luta;, disse o músico, em um vídeo divulgado ontem no Twitter. Ele aparece em uma maca, com curativos e o lábio inchado. A oposição planeja mais uma jornada de marchas e protestos na sexta-feira, na ofensiva final contra a Constituinte promovida por Maduro.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação