A bancada dos petistas na Câmara

A bancada dos petistas na Câmara

por Leonardo Cavalcanti (interino) » leonardocavalcanti.df@dabr.com.br
postado em 18/08/2017 00:00

A estratégia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é tentar formar um time de senadores e ex-parlamentares do partido para disputar as eleições na Câmara no ano que vem. Assim, políticos como Gleisi Hoffmann (PR), Lindbergh Farias (RJ), Humberto Costa (PE) e Eduardo Suplicy (SP) concorreriam ao cargo de deputado na tentativa de puxar outros nomes. Seria a única forma, segundo interlocutores de Lula, de manter a força da legenda no Congresso. A dificuldade é que nem todos concordam em abrir mão da corrida pelo Senado, como é o caso de Suplicy. Nos demais, seria também uma saída honrosa pela dificuldade que poderão vir a ter na reeleição para o atual cargo.
Para além da estratégia de Lula, começa a circular entre grupos do PT a ideia de lançar o nome do próprio ex-presidente para a Câmara. Mesmo na hipótese de absolvição na Justiça, o petista abriria mão do posto de candidato ao Planalto em favor do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. No cálculo desse pessoal, Lula ganharia foro privilegiado e, no caso de permanência do voto proporcional na reforma política, seria capaz de trazer, na esteira das urnas, outros políticos do partido para o Congresso.

Racha no PSDB I

Enquanto o programa do PSDB era veiculado ontem à noite, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, começou a disparar tuítes contra a ação da ala anti-Temer, responsável pela produção do vídeo. ;O programa partidário do PSDB é a expressão de uma confusão política digna de figurar numa antologia do gênero;, disse Nunes numa das postagens. ;Os governos tucanos que apoiei ou dos quais participei não se reconhecem nessa caricatura;, afirmou em outra.

Racha no PSDB II

Aloysio Nunes expôs as contradições do partido. ;Pergunto aos marqueteiros: o apoio do PSDB ao governo Temer, os cargos que ocupamos, foram negociados por baixo do pano, por fisiologismo?; E não parou mais: ;O locutor, a certa altura, lá pelo fim da peça, diz que o Brasil está paralisado há três anos. Não está, não. No meu ministério, não está;;. Por fim, o ministro desabafou: ;Em suma, esse programa não me representa. Não participei de sua concepção, e em nenhum momento minha opinião foi demandada;.

Armados e divididos I

Quando ao assunto é armamento, os integrantes da bancada da bala na Câmara vivem em harmonia, mas o clima esquentou entre eles durante a votação do projeto que tornou crime hediondo a posse ou o porte ilegal de armas de fogo de uso restrito, tais como fuzis. Uma parte teve receio em desagradar a indústria armamentista, outra, os colecionadores de armas. Os mais cautelosos temiam se enquadrar no crime previsto.

Armados e divididos II

O deputado Alberto Fraga (DEM-DF) achou por bem alterar o texto para especificar os tipos de armas, já que o original previa a posse de ;armas restritas;. ;Muitos de nós aqui possuem uma arma, infelizmente, não cadastrada. Imagina um cidadão de bem, trabalhador, sem antecedentes criminais, sofrer uma busca e apreensão e a polícia encontrar uma pistola .9mm;, disse na tribuna.

CURTIDAS
Dúvida / O presidente do Paraguai, Horacio Cartes, estará em Brasília, na próxima segunda-feira, para se encontrar com empresários brasileiros. Resta a dúvida: Cartes, dono de empresas de cigarros, refrigerantes e carne, está disposto a discutir políticas comuns aos dois países no combate ao contrabando e fiscalização das fronteiras? O PCC, como mostra o serviço de inteligência daqui, tem cooptado, com enorme facilidade, militares paraguaios.

Despressurização / Passado mais de um ano do impeachment de Dilma Rousseff, um seminário reuniu alguns dos protagonistas de um dos momentos mais tensos da história do país. Os ministros do Supremo Ricardo Lewandowski e Luiz Roberto Barroso estiveram com José Eduardo Cardozo, ex-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), no evento sobre o combate à corrupção promovido por faculdades de Brasília. Também passaram por ali Ayres Britto, ex-ministro do STF, e o deputado Alessandro Molon (Rede), que apresentou um projeto sobre eficiência da gestão pública.

Arquitetos / A Regularização Fundiária Urbana será o tema do II Fórum Interativo de Desenvolvimento Urbano, realizado em parceria pelo CAU/BR e pela Câmara dos Deputados, na próxima quarta-feira. O debate entre arquitetos e urbanistas e os deputados da Comissão de Desenvolvimento Urbano (CDU) terá participação do público via internet. Um dos debatedores confirmados é o urbanista Thiago Andrade, secretário de Estado de Gestão do Território e Habitação do Distrito Federal.

Tríplice / O plenário do Supremo aprovou ontem, por unanimidade, a lista tríplice de indicados a ocupar vaga de ministro substituto do TSE. Os três nomes ; Carlos Bastide Horbach, Marilda de Paula Silveira e Fábio Lima Quintas ; são professores do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). O ministro Gilmar Mendes é um dos fundadores do centro de estudos.

Colaborou Natália Lambert

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação