Grita geral

Grita geral

grita.df@dabr.com.br (cartas: SIG, Quadra 2, Lote 340 / CEP 70.610-901)

postado em 31/08/2017 00:00
Águas Lindas
Sem cirurgia

Edilson Batista, 50 anos, mora em Águas Lindas de Goiás e reclama que não consegue uma cirurgia. O leitor conta que sofreu um acidente há cinco anos, quando rompeu os tendões do ombro e quebrou o pulso e os dedos do braço esquerdo. Edilson afirma que tentou fazer a cirurgia em Goiânia e, sem sucesso, procurou o Hospital de Base. ;Eles me informaram que só estão fazendo cirurgias em casos graves, mas eu preciso dessa operação pra voltar a trabalhar. Não posso ficar parado;, explica.

; A Secretaria de Saúde informa que os procedimentos cirúrgicos são realizados priorizando os casos mais graves e seguindo a lista de pacientes nos casos de procedimentos eletivos, ou seja, sem gravidade. O órgão acrescenta que a porta de entrada para atendimento na rede pública de saúde do DF é a Atenção Primária, ou seja, a unidade básica de saúde mais próxima da residência. Havendo necessidade, a própria estrutura fará o encaminhamento para o especialista e a unidade de saúde que presta o atendimento necessário para o restabelecimento do quadro do paciente.





Asa Norte
Falta de água

O morador da Asa Norte Adilson de Almeida, 74 anos, afirma que a Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) não tem cumprido a programação prevista no plano de racionamento de água. Segundo o morador, o fornecimento de água foi interrompido em 27 de agosto, e a previsão de chegada era no dia seguinte, no máximo, dia 29. Adilson reclama que, até as 14h, a água não tinha voltado. ;As torneiras continuam sem água;, lamenta.

; A Caesb, por meio da Ouvidoria, afirma que o cronograma de rodízio tem sido executado em total conformidade com a programação estabelecida. Informa que, à exceção dos imóveis localizados em pontos mais altos, a maior parte das residências afetadas tem o fornecimento restabelecido nas primeiras horas do período de estabilização. Entretanto, durante o retorno do abastecimento no último ciclo de rodízio da Asa Norte, foram realizados algumas inspeções e ajustes que retardaram a plena estabilização do sistema, sem, contudo, ultrapassar o período máximo previsto, de 48 horas. Tal fato ocorreu de maneira isolada. A empresa lamentou o ocorrido e pediu desculpas por eventuais transtornos.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação