Tomate e batata sobem

Tomate e batata sobem

ANDRESSA PAULINO* ADRIANA BOTELHO*
postado em 07/10/2017 00:00

Apesar da desaceleração do custo de vida em geral, alguns produtos resistem à queda de preços. Hortifrutigranjeiros tiveram aumento durante a semana, de acordo com levantamento feito pelo Correio em supermercados de Brasília (veja tabela ao lado). Em quatro estabelecimentos, a batata está até 200% mais cara. Já o tomate aumentou em torno de 50% e o alface, 2%. E para driblar a carestia de alguns itens da lista de compras, o consumidor continua adotando a substituição como ferramenta para economizar.

O tomate não pode ser comprado por menos de R$ 2,89 o quilo nesta semana. Já o pé de alface está com preços na faixa de R$ 1,69 a R$ 4,58. O quilo da batata, por sua vez, não sai por menos de R$ 0,99. Com os preços em alta, a substituição é a atitude mais aconselhada por especialistas, sem esquecer da busca por promoções.

A dona de casa Rosyonne Costa, de 60 anos, se mostrou surpresa com o aumento desses itens. ;Fiquei assustada quando vi o valor desses produtos, porque costumo comprá-los sempre;, contou. Para não voltar para casa de mãos vazias, Rosyonne optou por adquirir alimentos que estão com preços mais em conta. ;Quando vejo que o produto está muito caro, fico mais tempo no mercado pesquisando e analisando alternativas. Assim, consigo comprar a mesma quantidade por um valor mais barato;, disse.

Para a dona de casa, avaliar o quanto é gasto com a compra de cada produto é um hábito que ajuda o orçamento familiar. Outra dica é pesquisar preços. ;É importante tirar um tempo do dia para ficar de olho nas promoções;, aconselhou Rosyonne.

Estocagem
Para alívio do bolso do consumidor, alguns itens registraram queda de preços nos estabelecimentos pesquisados. O mamão ficou 60% mais barato durante a semana, e o preço da cebola está 10% mais baixo que na semana passada, o que levou a servidora pública Célia Ramos, de 31 anos, a comemorar. ;Já tem algum tempo que não vejo a cebola com esse preço;, disse. Para Célia, o valor do produto torna atraente uma técnica que educadores financeiros costumam criticar: a estocagem. ;Vou aproveitar o preço e levar uma quantia que dure cerca de 15 dias. Assim me previno de um possível aumento do valor do produto;, explicou a servidora.

* Estagiárias sob supervisão de Odail Figueiredo

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação