Tubo de ensaio - Fatos científicos da semana

Tubo de ensaio - Fatos científicos da semana

postado em 07/10/2017 00:00
 (foto: Iberostar/Divulgação)
(foto: Iberostar/Divulgação)
; Segunda-feira, 2
Meteoritos ajudaram a vida na Terra


Um estudo publicado na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas) respalda a teoria de que meteoritos que caíram em lagoas mornas do planeta deixaram elementos essenciais que deram origem aos blocos de construção da vida há bilhões de anos. O estudo baseia-se em pesquisas exaustivas e cálculos astrofísicos, geológicos, químicos e biológicos. Há entre 3,7 e 4,5 bilhões de anos, o planeta era bombardeado por meteoritos a um ritmo de oito a 11 vezes maior que a atividade atual, sua atmosfera estava dominada por gases vulcânicos, e a terra firme era escassa, já que os continentes se elevavam do fundo do oceano global, indica o artigo. Num dado momento, os ingredientes necessários para a formação de polímeros de RNA atingiram as concentrações suficientes nas lagoas e se uniram, enquanto o nível da água subia e descia ao ritmo de ciclos de precipitações, evaporações e drenagem. Essas formas primitivas evoluíram até o desenvolvimento do DNA, explicou o trabalho.


; Terça-feira, 3
Animais selvagens abusados


Os animais da Amazônia sofrem com a atividade turística na região, que, em muitos casos, submete espécies como o boto-cor-de-rosa e o bicho-preguiça a longas sessões de fotos, alertam ativistas da ONG World Animal Protection. A organização, com sede na Inglaterra, publicou um relatório em que afirma que, desde 2014, as fotos de pessoas com animais publicadas no Instagram aumentaram 292% no mundo todo. E em 40% delas, os humanos aparecem abraçando ou interagindo de forma inadequada com um animal selvagem. Com frequência, os animais são capturados e maltratados antes de serem exibidos aos turistas, aponta a World Animal Protection, que se infiltrou em excursões na selva amazônica do Brasil e do Peru para registrar essas interações. Nesses pacotes, o boto-cor-de-rosa é o animal mais oferecido pelos agentes para esse tipo de contato, seguido de preguiça-de-três-dedos, crocodilos, anacondas verdes e macacos.


; Quarta-feira, 4
60 anos do Sputnik


A Rússia comemorou os 60 anos do lançamento do satélite artificial Sputnik, evento que marcou a chegada da humanidade ao espaço exterior e levou à primeira vitória na corrida espacial com os Estados Unidos. Em 4 de outubro de 1957, o foguete de lançamento decolou com o primeiro satélite artificial a bordo, mostrando ao mundo os avanços da tecnologia soviética. Em um domingo ensolarado de outubro, era possível ver um ponto minúsculo que brilhava no céu: era o Sputnik-1, que deu a volta na Terra em cerca de 96 minutos. O sucesso da empreitada foi atribuído, em grande parte, aos cientistas alemães levados para a URSS após a Segunda Guerra Mundial e aos seus foguetes V2, mísseis utilizados principalmente contra o Reino Unido durante o conflito.


; Sexta-feira, 6
Diversidade no acasalamento


Um estudo publicado na revista Science indicou que, no passado, o Homo sapiens evitava acasalamentos consanguíneos. A pesquisa foi feita a partir do genoma de quatro fósseis de humanos anatomicamente modernos que viveram há 34 mil anos, encontrados no local de sepultamento de Sunghir, na Rússia. Eles não tinham parentesco uns com os outros e seus genes não apresentavam sinais de endogamia, sugerindo que se acasalavam fora de seus clãs. Segundo os autores do trabalho, os neandertais (reconstituição artística, na foto), que conviveram com o homem moderno na Europa e foram extintos há 35 mil anos, mantinham relações consanguíneas, o que pode ter contribuído para o fim da espécie. O estudo também encontrou novas variantes genéticas do genoma de neandertal influentes nos humanos modernos, incluindo as relacionadas a níveis plasmáticos de colesterol ruim (LDL) e vitamina D, distúrbios alimentares, acumulação de gordura, artrite reumatoide, esquizofrenia e respostas a medicamentos antipsicóticos.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação