Sr. Redator

Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato. E-mail: sredat.df@dabr.com.br
postado em 12/11/2017 00:00



Diretor de escola
Sendo o 12 de novembro a data outorgada à comemoração do Dia do Diretor de Escola, não poderia deixar de registrar, por merecimento, algumas palavras a esse tão dedicado profissional da educação. O professor ou professora que tem nos ombros a difícil missão de dirigir uma escola, seja ela de nível básico, fundamental ou médio, passa por momentos de aflições, incertezas e preocupações. A dedicação diuturna, para que haja uma educação de qualidade, faz com que as dificuldades percam forças, dando a todos: pais, alunos e professores, um sentimento de confiança. O diretor de escola é um ser especial nesse complexo sistema educacional, principalmente nos dias de hoje, em razão das questões problemáticas inerentes ao cargo, como recentemente a mídia tem divulgado. O diretor de escola tem que estar sempre à disposição de tudo e de todos. Desejo que tenhas sempre força nessa difícil missão.
Jeferson Fonseca de Mello, Asa Norte


Previdência
O governo Temer quer que os funcionários públicos sejam aposentados como os da iniciativa privada ; teto máximo atual de R$ 5,3 mil. Uma pergunta que não quer calar: como ficam as aposentadorias do Legislativo (senadores e deputados) e do Judiciário (juízes, desembargadores e ministros)?
Saulo Siqueira, Asa Norte


Reforma trabalhista
Que país é esse onde o ministro do trabalho Ives Gandra tem que dizer, alto e bom som, que os magistrados, encarregados de zelar pelo cumprimento das leis, têm que respeitar as novas regras trabalhistas? Um país onde se admitissem pessoas que se acham acima da lei, com direito de desrespeitá-la de, acordo com as próprias conveniências, não seria um país sério. Tais elementos já estariam no olho da rua, destituídos de suas funções.
Elizio Nilo Caliman, Lago Norte


Tucanos
Como de costume, diante das dificuldades, o profeta FHC acendeu o fósforo e jogou no arraial alheio. A bola da vez é Michel Temer. O sábio FHC exige que o PSDB cuspa no prato do Palácio do Planalto, onde come e se lambuza há mais de um ano. Pensa que o partido crescerá junto aos eleitores, rompendo com o governo. O ex-presidente adora a fábula do macaco: senta no próprio rabo para criticar os outros. Tiro no pé. Ao invés de unir o partido em torno da saída do barco de Temer, desagregou mais ainda os tucanos, atiçando a ira de correligionários desejosos de permanecer nos cargos federais.
Vicente Limongi Netto, Lago Norte


Violência
São muitos os casos de violência no Brasil. Recentemente, os colégios foram o cenário deles. E percebe-se que, quanto mais a mídia divulga, parece que mais casos tendem a surgir. Em nossa cidade vizinha de Alexânia (GO) foi um verdadeiro terror: 11 balas à queima roupa, peles e ossos no rosto e no corpo da moça Raphaella, que estava em sala de aula. E haja tanta violência. Esses questionamentos legais dos portes de armas, no Brasil, precisam ser revistos. Cada vez mais, observa-se que a América Latina vai ocupando desoladora posição no ranking de violência no mundo. E, cada vez mais, vemos que muitos países do terceiro mundo vão mergulhando em águas turvas, cheias de turbulências e curvas.
Antônio Carlos Sampaio Machado, Águas Claras


Vereadores
Sou do tempo que vereador vestia a camisa do município sem nenhuma remuneração. Hoje é meio de vida, como se fosse uma profissão, mesmo com reuniões noturnas uma ou duas vezes por semana, existem câmaras que até pagam 13;; é um pesado ônus às combalidas finanças na maioria dos municípios ; culpa de nossos coniventes deputados e senadores, pois são eles que fazem as leis. A remuneração ao vereador na cidade com menos de 200 mil eleitores deveria ser de, no máximo, um salário mínimo, a título de ajuda de custo.
Humberto Schuwartz Soares, Vila Velha (ES)


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação