Ao ar livre, mais saúde e felicidade

Ao ar livre, mais saúde e felicidade

postado em 12/11/2017 00:00
É notável a importância do brincar para que a criança se movimente, desenvolva a motricidade e mantenha o peso regular, combatendo a obesidade e o sedentarismo. A brincadeira ao ar livre é fundamental para que ela explore espaços maiores, experimente variações climáticas, tome sol (sempre nos horários adequados), entre outros benefícios.

Estudos feitos na Inglaterra por cientistas esportivos mostram que as crianças de agora são mais fracas do que as de 10 anos atrás. Tudo porque passam pouco tempo ao ar livre, sem fazer exercícios, e muito tempo no computador, o que faz com que percam força muscular.

A pesquisa apontou problemas que uma infância com poucos exercícios pode provocar por não permitir um desenvolvimento adequado da musculatura. Quando adultas, essas crianças correm mais risco de sofrer de osteoporose ; enfraquecimento dos ossos.

Ao ar livre, o problema some. Meia hora de pique-pega, por exemplo, gasta em média 225 calorias, e o mesmo tempo de amarelinha representa 135 calorias. Segundo a Abeso (Associação Brasileira de Estudos sobre Obesidade e Síndrome Metabólica), essas atividades, se praticadas por 30 minutos, pelo menos três vezes por semana, têm grande gasto energético e podem ser comparadas a exercícios físicos de alta intensidade.

Olha a roda!

A brincadeira desenvolve a linguagem e a habilidade motora e, quando em grupo, dá vez a princípios como a cooperação, a liderança, o compartilhamento, o respeito às regras. Para oferecer essa possibilidade, uma equipe formada por mães, pedagogas, artistas, musicistas, gerentes e administradoras leva à frente o Brincar de Roda. O espaço para a criança ser livre,se expressar e aprender trata-se de uma casa de brincadeiras infantis que valoriza o brincar livre ; sem agenda rígida, sem uso de eletrônicos e com muita criatividade.

;O espaço planeja oficinas e brincadeiras de todos os tipos com foco no desenvolvimento das crianças;, conta a idealizadora, Fernanda Rezende.

A ideia da casa é oferecer um ambiente com brincadeiras livres e atividades programadas. ;As crianças podem escolher um brinquedo, mas também participam de exercícios e tarefas em grupo. Mesclamos os dois para elas aproveitarem por completo.; A programação varia de acordo com cada dia da semana, para que as crianças tenham sempre novas experiências.

Modelagem, brincadeiras sensoriais, arte com tinta, contação de histórias, oficina de horta e musicalização são algumas das atividades presentes na rotina dos baixinhos. Para auxiliar os pequenos, o grupo conta com os ;brincadores;, uma espécie de monitor que interage, participa e propõe brincadeiras.

Nada de eletrônico

A proposta da casa é oferecer um local livre de eletrônicos. Segundo estudo da Faculdade de Educação da Unicamp, em Campinas (SP), crianças que usam esses aparelhos sem controle e não brincam, ou brincam pouco, podem ter atraso de desenvolvimento no ;mundo real;. A pesquisa foi realizada com meninos e meninas de 8 a 12 anos, que ficam de quatro a seis horas diante das variadas telas.

O objetivo, segundo Fernanda, não é privar as crianças de celular ou televisão, mas proporcionar um momento no qual esses aparelhos saem do foco.

Para descobrir

Incentivar e criar brincadeiras inteligentes e divertidas não é tarefa complicada. E não faltam livros para ajudar. Com ilustrações divertidas e diálogos inteligentes, muitos livros levam as crianças a um mundo de brincadeiras incríveis. Veja alguns exemplos:
Folclorices de brincar ; Editora do Brasil: R$ 34,90.

Vou brincar ; Pandorga Kids: R$ 34,90.

O menino maluquinho ; Editora Melhoramentos: preço sob consulta.

Fácil, barato e divertido
Os benefícios das brincadeiras de rua, em grupo, e que utilizam o corpo e a mente são incontáveis. Em ação, as crianças desenvolvem múltiplas linguagens, organizam os pensamentos, descobrem regras, tomam decisões, compreendem limites e desenvolvem a socialização e a integração com o grupo.

O melhor de tudo é que, além de se divertir, todo esse aprendizado prepara as crianças para o futuro, quando terão de enfrentar desafios semelhantes às brincadeiras. Por isso, separamos algumas atividades que vão além das mais conhecidas para aprender brincando.

Elefante colorido
Escolha um participante para comandar a brincadeira. Ele deve ficar na frente dos demais colegas e dizer alto: ;Elefante colorido!”. Os outros respondem: ;Que cor?; Então, ele grita o nome de uma cor, que deve ser tocada pelos participantes o mais rápido possível, antes que sejam pegos pelo comandante. O primeiro a ser capturado vira o próximo a liderar a brincadeira.

Oficina de fantoches
Com rolos de papel higiênico, papel toalha cortado ao meio, ou ainda pacotes para pipoca, mais canetinhas, giz de cera, pedaços de lã, cola branca e enfeites à sua escolha, é possível criar fantoches divertidos com as crianças e depois montar até um teatro.

Eu sou eu, e você é você
Peça para que cada criança deite em cima de pedaços grandes de papel kraft. Desenhe a silhueta de cada uma delas e entregue de volta, para que elas possam completar com olhos, boca, nariz, roupas e o que mais acharem importante.

Batata quente
Os participantes se sentam em círculo e uma pessoa fica de fora. Eles vão passando uma bola bem rápido, de mão em mão, e o que está de fora, de costas para o grupo, grita ;batata quente, quente, quente, queimou!”. Quem estiver com a bola quando o colega disser ;queimou; é eliminado da brincadeira.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação