Brasília-DF

Brasília-DF

por Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 15/11/2017 00:00

A confusão está armada
Está aberta a mais nova temporada de estica-e-puxa na base governista. Os partidos já fizeram chegar ao presidente Michel Temer que a tal reforma ampla com a troca de 17 ministros anunciada pelo líder do governo, Romero Jucá, não é do desejo de todos e arrisca trazer mais problemas do que solução para votar a reforma previdenciária. E já tem gente na Esplanada com o seguinte discurso: Se for para sair todos aqueles que pretendem concorrer no ano que vem, seria bom tirar também o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o único da equipe a se apresentar como ;presidenciável;. Por causa desses quesitos, muitos se referem à ampla reforma como um ;ajuste;.

Curva perigosa I
As operações da Lava-Jato nos últimos meses desgastaram a imagem do PMDB em vários estados onde o partido tinha seus caciques e boas bancadas. Ontem, em duas operações distintas, a Polícia Federal abalroou o que restava do PMDB do Rio de Janeiro e atingiu o de Mato Grosso.

Curva perigosa II
Somados aos revezes anteriores, há quem esteja preocupado com a eleição de deputados. O PMDB está desgastado no Rio Grande do Norte, onde o ex-deputado Henrique Eduardo Alves está preso, na Bahia, terra de Geddel Vieira Lima; e em Roraima, onde o senador Romero Jucá teve os filhos envolvidos em outra operação da PF.

Até aqui, tudo bem
Alagoas, ao que tudo indica, ainda surfa longe dessa onda negativa. Lá, o governador Renan Filho continua bem posicionado. E é justamente para tentar escapar da curva descendente é que abrem os braços para o PT de Lula.

Pensando bem;
Na base tem muita gente desconfiada de que o presidente Michel Temer jogou essa história de mudar 17 ministros apenas para repactuar alguns e colocá-los em contato direto com o Parlamento, a fim de garantir a aprovação das medidas importantes para o governo. Muitos estavam desconectados dos respectivos partidos, cuidando da própria vida.

; faz sentido
O presidente Michel Temer, entretanto, tem dito a alguns que quer aproveitar esse último ano para impor uma marca na administração e isso não será possível com quase metade da equipe pensando apenas na própria reeleição.

Escapou de boa/ O ex-ministro das Cidades Bruno Araújo volta para o Congresso a tempo de se livrar de uma convocação para prestar esclarecimentos na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara. Os peemedebistas queriam que ele explicasse por que os estados governados pelo PSDB estavam mais bem aquinhoados com a construção de casas populares.

Nem tanto/ Bruno, porém, terá dificuldades no partido. A ala adversária ao governo está meio atravessada com o ex-ministro. Reclama que não era atendida.

Fica comigo/Uma das prioridades do presidente Michel Temer, além de, óbvio, reestruturar a equipe, é segurar os partidos. Inclusive a ala do PSDB que o apoia.



Cachimbo da paz/ O presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Carlos Eduardo Sobral, se reuniu hoje com o novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia. A visita serviu para enterrar de vez as especulações de que o novo comandante da PF não contava com o apoio da entidade que representa os delegados de todo o Brasil. Prometem trabalhar juntos. Na foto, o Delegado Federal Edvandir Felix de Paiva (Futuro Presidente da ADPF); Sobral, Segóvia e o diretor-regional da ADPF, Luciano Leiro.

Coreia do Norte/Assista hoje, no CB.Poder, uma parceria do Correio Braziliense com a TV Brasília, a reprise da entrevista com o repórter Renato Alves sobre a Coreia do Norte.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação