Sr. Redator

Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato.

E-mail: sredat.df@dabr.com.br
postado em 04/12/2017 00:00

Escravidão

O negro foi perseguido pelo homem branco desde a deportação dele da África para o Brasil, ou até para outros países do Continente Americano. Muitas pessoas ainda pensam e acreditam que o negro era sequestrado na África por Europeus e colocado em navios (chamados negreiros) por traficantes para serem vendidos como mercadorias. Quanto à primeira versão, a verdade é que os chefes e pajés das tribos negras vendiam os seus naturais ou oposicionistas aprisionados por eles com ;exércitos; fortes para vendê-los a esses mercadores brancos. Quanto à segunda versão, como se disse, os negros eram vendidos, realmente, como mercadoria. Não eram, portanto, considerados como seres humanos. Na longa viagem mais de 50% morriam por desnutrição, disenteria por ingestão de comidas estragadas e maus-tratos. A situação do negro no Brasil me interessa, porque minha mãe era negra. Por obra do destino ,namorou com meu pai branco, neto de portugueses. Era o ano de 1920. O meu avô paterno não concordou com o namoro e muito menos com o casamento. Resultado: o meu avô materno era um preto orgulhoso, vindo dos quilombos das ;Queimadas; dos paiacus, região da antiga cidade do Guarani (hoje, Pacajus/CE), e ficou muito contrariado. Retirou minha mãe da cidade e a mandou estudar em Quixadá/CE. Ali, permaneceu até concluir o curso de professora normalista, já com 25 anos. Ao retornar não teve jeito. O meu pai a esperava. O casamento foi feito na marra, sem consentimento dos pais. Não houve festa por ordens dos carrancudos avós. Hoje, em pleno século 21, a história se repete.
; Dr. José Lineu de Freitas, Asa Sul


Fábula real

Desde que a bicharada parou de dar conselhos aos humanos por meio das fábulas, a moral dos contos mudou de interpretação. Haja vista a proverbial fábula da formiga e da cigarra. No fim da história, na prática da política tupiniquim, hoje, quem leva vantagem são as levianas e as estridentes cigarras. Os mais altos e rendosos postos governamentais são ocupados por quem menos entende do assunto, que passou a vida flauteando, enquanto milhões de sacrificadas formigas se arrastam, lutando de sol a sol, para prover os cofres públicos que vão encher meias, cuecas e malas de zombeteiros corruptos.
; Elizio Nilo Caliman, Lago Norte


Lula em Vitória

Lula está atrasado 10 anos. Se o ex-presidente veio a Vitória para a inauguração do aeroporto, foi enganado. A inauguração, prevista para dezembro de 2017, foi adiada para março de 2018. Lula, então como presidente em 2005, afirmou que retornaria em 2007 para inaugurar, mas a corrupção paralisou a obra. Curioso é que, mesmo sem o aeroporto para mais alavancar, o Espírito Santo vai bem enquanto o restante do Brasil vai mal.
Humberto Schuwartz Soares, Vila Velha (ES)


Benesses

O panorama político brasileiro atual é um exemplo de descaso e indignidade para o povo. Estroinas engravatados (não só os políticos. Empresários e banqueiros oportunistas chantageiam o governo para obter benesses: perdão de dívidas, prazos infinitos, empréstimos de pai para filho, etc.). O pior é que estamos ficando desamparados. A última coletiva dos procuradores mostrou-os assustados e pouco convencidos de que poderão nos livrar dos corruptos. Paira sobre eles a sombra demoníaca da lei do abuso de autoridade, com a qual os políticos os chantageiam e os tornam frágeis. O novo diretor da Polícia Federal já demonstrou sua falta de imparcialidade ao tentar isentar o carregador de mala de qualquer ato ilícito. Um ministro do Supremo, depois que foi veiculado que a Abin investigava suposta carona no jatinho do Joesley, começou a liberar todo mundo. Só nos resta rogar que o nosso amorfo povo reaja indignado.
; Renato Vivacqua, Asa Norte

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação