Denise Rothenburg

Denise Rothenburg

por Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 13/12/2017 00:00


A saia justa dos tucanos

Aos poucos, o PSDB vai se tornando o fiel da balança na votação da reforma da Previdência, uma vez que os partidos mais afinados com o governo estão sendo chamados a amarrar seus votos. O DEM, de Rodrigo Maia, por exemplo, não descarta mais o fechamento de questão até o fim desta semana, acompanhando o que já fizeram PMDB, PPS e PTB.

Nessa linha, como o discurso contra a reforma já está na boca da oposição, Geraldo Alckmin tem pela frente um caminho a escolher. Se trabalhar pela reforma, se credencia como aquele que tem posição e conquista, assim, a simpatia do mercado. Se não, corre o risco de terminar à margem, como aquele que, ao não tomar posição, ajudou a derrotar o texto ou a postergar a votação. Para muitos, se isso ocorrer, será como ;queimar a largada;, que já não está fácil.

Cabalístico?
A simbologia da data marcada para o julgamento do ex-presidente Lula no caso do tríplex não poderia ser maior: em 24 de janeiro deste ano, dona Marisa Letícia teve o AVC. Morreu 10 dias depois. Para completar, a ex-presidente Dilma Rousseff afirmava na Espanha que ;o segundo golpe será impedir que Lula seja candidato;.

Largada eleitoral I
Os políticos respiraram aliviados. O fato de Lula ser julgado em janeiro permitirá que o cenário fique mais claro antes das eleições. Se o ex-presidente puder concorrer, vai atrair apoios de vários partidos.

Largada eleitoral II
Se a Justiça condenar Lula e ele não puder ser candidato, tudo o que está em construção hoje em muitos estados vai ruir. Especialmente no PMDB. Afinal, salvo raras exceções, como Minas Gerais e Alagoas, acordos e conversas são com o ex-presidente e não com o PT.

Climão no DEM
Não é só o PSDB que tem uma ala jovem incomodada com os rumos do partido. No DEM, um grupo começa a se perguntar se deve permanecer com Agripino Maia no comando. Ainda não chegou ao ponto de arrombar a porta e exigir mudança, mas o burburinho está a cada dia mais forte.


Presença ilustre/ A primeira reunião da Executiva tucana sob o comando de Geraldo Alckmin contará com a presença de Maria Estela Kubitschek (foto). Ela desembarca em Brasília às 10h para representar o Rio de Janeiro na reunião que discutirá, entre outros temas, a reforma previdenciária.

Enquanto isso, na Câmara;/ Ministro ainda não empossado, Carlos Marun tem saído do plenário com o bolso cheio de bilhetes com pedidos dos colegas. Se brincar, a
pré-agenda está lotada
até o fim do ano.

Virou base de lançamento/ Tudo o que se faz no país virou motivo de solenidade no Planalto. Ontem, por exemplo, houve uma para o selo de ;integridade; criado pelo Ministério da Agricultura. Houve um tempo em que ser íntegro era obrigação e não motivo de premiação. #prontofalei

A visão dele/ Quem se aproxima do deputado Jair Bolsonaro (RJ) e diz que ele está ;bombando;, recebe do parlamentar um sorriso e a declaração: ;Não sou eu que estou bem, os outros é que estão mal;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação